Siderúrgica Corus vai vender ativos de alumínio à Pechiney

A siderúrgica anglo-holandesa Corus Group Plc e a francesa de alumínio Pechiney chegaram a um acordo para a Corus vender a maior parte de seus ativos de alumínio à Pechiney, por aproximadamente 750 milhões de euros (US$ 732,5 milhões). A transação envolve fábricas na Alemanha, Bélgica, Canadá e China. Aproximadamente 4.600 trabalhadores serão transferidos para a Pechiney. O acordo exclui as unidades de fundição da Corus na Holanda e Alemanha. O pacto deverá ser concluído no primeiro semestre de 2003 e está sujeito à aprovação de órgãos reguladores dos Estados Unidos e da Europa. A Pechiney informou que financiará o acordo através de dívida, elevando o seu coeficiente de endividamento para até 62%, mas que a transação também estimulará os lucros, adicionando 0,24 euros por ação ao lucro líquido em 2003 e 0,52 euros por ação em 2004 e que resultará em economias de 40 milhões de euros (US$ 39,06 milhões) nos primeiros três anos e mais de 60 milhões de euros (US$ 58,6 milhões) até 2007.O preço de aquisição de 750 milhões de euros inclui a absorção de dívida existente, enquanto a Pechiney assumirá passivo de aposentadoria totalizando até 48 milhões de euros (US$ 46,8 milhões), de acordo com as normas contábeis da Holanda. O acordo permitirá à Pechiney fortalecer sua posição nos principais mercados de conversão de alumínio, em particular, os setores aeroespacial e automotivo. A Corus disse que a venda para a Pechiney conclui o desinvestimento de suas participações em alumínio anunciado em março deste ano. Em 17 de setembro, a Corus concluiu a venda de sua fatia de 20% na Alouette para a canadense Alcan Inc. por US$ 165 milhões. Os recursos obtidos com a venda à Pechiney serão aplicados para reduzir a dívida e fortalecer o balanço patrimonial da Corus, afirmou a empresa. Recentemente, a Corus concordou em adquirir a brasileira CSN, um pacto que lhe oferecerá não apenas a operação de aço, mas também de minério de ferro, que talvez seja a principal atração do acordo. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.