Siderúrgicas puxam alta da Bolsa que fecha em nível recorde

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) bateu recorde nesta sexta-feira. Em pontos, atingiu o patamar de 29.815 pontos, o nível mais alto de sua história. A Bolsa também registrou o maior nível histórico durante o pregão (intraday), de 29.863 pontos. Os recordes anteriores de fechamento e intraday eram, respectivamente, de 29.455 e 29.584 pontos, ambos registrados em 7 de março deste ano. No encerramento do dia, a Bolsa registrava alta de 1,53%. Com este resultado, o mercado de ações acumula uma alta de 6,32% em setembro e de 13,82% no ano. Vários fatores puxaram o desempenho da Bovespa. São eles: a boa perspetiva para a emissão de títulos da dívida brasileira em reais; o alto volume negociado na Bolsa; a forte baixa do risco Brasil (taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação à capacidade de pagamento da dívida do País); a queda da taxa de juros decidida na quarta-feira; a queda do preço do petróleo; e o desempenho das bolsas em Nova York. Setor siderúrgico As ações de empresas siderúrgicas foram destaque na Bovespa nesta sexta-feira e puxaram a forte alta e o movimento de recursos na Bolsa. Isso porque existe uma forte perspectiva de que o preço do minério de ferro se mantenha em alta no ano que vem e de aumento da demanda do aço no último trimestre do ano. O banco de investimentos UBS divulgou relatório esta manhã em que prevê reajuste de mais 10% para o minério de ferro nas próximas rodadas de negociação com as siderúrgicas asiáticas, motivado pela forte demanda chinesa. Desempenho das ações As 3 maiores altas, tomando por base os papéis mais negociados na Bolsa (Ibovespa), foram de companhias deste segmento. As preferenciais (PN, sem direito a voto) da Usiminas ficaram com o 1º lugar, com alta de 5,34%. Foram seguidas pelos papéis da Companhia Siderúrgica Nacional, com alta de 5,27%, e da Companhia Vale do Rio Doce, com alta de 4,80%. Entre as mais negociadas, as ações da Vale ficaram com o 2º lugar, com 2.419 operações. Contudo, em volume de negócios, foram líderes, com R$ 190,015 milhões. Ao todo, a Bolsa negociou hoje R$ 1,892 bilhão. Negócios da Vale As ações da Vale também se beneficiaram das avaliações favoráveis por parte dos analistas sobre a oferta da Vale feita à mineradora canadense Canico, que desenvolve um projeto de níquel no Pará. O fato é que a Vale planeja investir US$ 1,2 bilhão no projeto de níquel de Onça Puma ao longo dos próximos 4 anos, se conseguir fechar a compra da canadense. Segundo apurou a repórter Mônica Ciarelli, o valor equivale a todo os recursos aplicados pela mineradora brasileira este ano estado Pará, onde está localizado o projeto. Ontem, a Vale informou ter registrado na Bolsa de Valores do Canadá uma oferta por até 100% das ações da Canico por 17,50 dólares canadenses por ação ordinária. Entretanto, destacou que só irá concretizar o negócio se conseguir adquirir o controle da empresa, com a compra de, no mínimo, 50% mais uma ação. Mercado nos EUA O desempenho das ações em Nova York também favoreceu o mercado de ações no Brasil. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e Internet - fechou em alta de 0,66% e o Índice Dow Jones - que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - encerrou o dia com alta de 0,78%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.