Siderúrgicas querem subir em 13% preço do aço plano

O preço do aço plano, usado principalmente pela indústria automobilística, vai ser reajustado em 13% este mês, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças). Esse reajuste deve ter impacto especialmente nas autopeças, já que as montadoras, com maior poder de barganha, negociam as compras diretamente com as siderúrgicas.

Márcia de chiara, O Estadao de S.Paulo

11 de setembro de 2009 | 00h00

"As pequenas e médias empresas que produzem autopeças não têm força e vão ter de engolir um aumento de 13%", afirma Mario Milani, membro do Conselho de Administração do Sindipeças. Segundo a entidade, o momento de recuperação da economia "não é oportuno para elevar preços" e os reajustes serão repassados para o valor dos carros.

Milani lembra que, hoje, a alíquota de importação do aço é de 15%, o que inviabiliza as compras externas da matéria-prima.

A Usiminas, uma das gigantes em aços planos, informa, por meio da assessoria, que "mantém a política de preservar a competitividade no preço do aço com flexibilidade para negociar, considerando as demandas e especificidades de cada cliente". Se realmente emplacar, este será o primeiro reajuste do aço no ano.

Segundo especialistas do setor, o aumento da demanda por aço, com a recuperação da atividade, impulsionou o reajuste. Além disso, os preços estavam muito deprimidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.