Siemens anuncia corte de 16,75 mil empregos em todo o mundo

Ação faz parte da reestruturação da empresa alemã, que pretende cortar 1,2 bilhão de euros em custos

Danielle Chaves, da Agência Estado,

08 de julho de 2008 | 10h51

A companhia de eletrônicos e engenharia alemã Siemens informou que vai eliminar 16,75 mil empregos em todo o mundo como parte de seu plano para cortar gastos com venda e com administração. A atitude também faz parte das medidas de reestruturação da empresa. Do total, 12,6 mil empregos serão eliminados como resultado de cortes de gastos com administração e 4,15 mil em conseqüência da reestruturação. Na Alemanha, cerca de 5,25 mil postos de trabalho serão afetados. Entre as cidades atingidas estão Erlangen, Munique, Nuremberg e Berlim. "Contra o cenário de economia desacelerada, precisamos nos tornar mais eficientes", declarou o presidente da empresa, Peter Loescher. O diretor de pessoal da Siemens, Siegfried Russwurm, afirmou que a companhia quer começar as negociações com representantes dos empregados rapidamente, para implementar os cortes da forma "mais socialmente responsável possível". A Siemens também confirmou que quer cortar 1,2 bilhão de euros (US$ 1,87 bilhão) em custos com administração, passando para 10,9 bilhões de euros em 2010. A empresa anunciou ainda que planeja vender a subsidiária Segment Industrie Montage Services (SIMS), que tem cerca de 1,2 mil funcionários em 35 cidades da Alemanha. Os projetos de reestruturação da companhia vão afetar amplamente sua divisão de telefones móveis, onde 2,5 mil empregos serão eliminados, incluindo 700 vagas no setor administrativo e cerca de 1,8 mil na área de engenharia e produção. Na divisão de aparelhos do setor de saúde, a Siemens planeja cortar 1,55 mil empregos ligados à administração. Mais 1,25 mil vagas serão fechadas como conseqüência da reestruturação. Na semana passada, fontes haviam informado que a Siemens poderia demitir 17,2 mil pessoas em todo o mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
SiemensEmprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.