Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Siemens vai cortar 6,8 mil funcionários de telecomunicações

Plano de redução envolve o fechamento ou venda da fábrica em Curitiba, com 470 funcionários

Efe,

26 de fevereiro de 2008 | 09h57

O grupo tecnológico alemão Siemens anunciou nesta terça-feira, 26, um plano de redução de 3,8 mil empregos e transferência de outros 3 mil em todo o mundo em sua divisão de telecomunicações, para sanar as finanças. O plano envolve o fechamento ou venda da fábrica em Curitiba, com 470 funcionários.   Em comunicado, a empresa afirma que dos 3,8 mil postos de trabalho que serão extintos, 2 mil estão na Alemanha. Ao mesmo tempo, a Siemens quer transferir a empresas externas outros 3 mil empregos - dos quais 1.200 estão na Alemanha - e ainda tenta vender ou encontrar sócios para sua fábrica em Tessalônica (Grécia), com 270 empregados, ou mesmo fechá-la, a exemplo da unidade de Curitiba.   A companhia também quer vender os call centers na Argentina, Chile, Colômbia, Equador e Peru, nos quais trabalham 1.100 pessoas e que não fazem parte das atividades principais da Siemens Enterprise Communications (SEN).   A Siemens abandonará a produção própria em sua unidade de telecomunicações SEN e para isso venderá ou encontrará um sócio para sua fábrica alemã de Leipzig (leste do país), que atualmente tem 530 empregados, e na divisão de cabos de telecomunicações, com 60 trabalhadores.Ao mesmo tempo, o grupo alemão tenta transferir a uma companhia externa do setor de tecnologia da informação 570 empregados de vendas diretas a clientes de sistemas pequenos e médios.     A Siemens admitiu que acelerou seu processo de reestruturação devido às mudanças ocorridas no negócio de telecomunicações, provocadas pela entrada no mercado de companhias que operam por meio da internet.   As medidas de pessoal fazem parte de um conjunto de atividades com as quais a Siemens pretende transformar a sua divisão de telecomunicações em um produtor de software e soluções. A companhia alemã também deseja se expandir em mercados em crescimento como Rússia e China.

Tudo o que sabemos sobre:
Siemenscortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.