Sigourney Weaver lidera protesto em Nova York contra Belo Monte

Atriz de 'Avatar' e de 'Alien' participou de manifestação em frente à representação brasileira nas Nações Unidas

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2010 | 00h00

A atriz Sigourney Weaver liderou ontem um protesto em Nova York contra a construção da Hidrelétrica Belo Monte na Amazônia e pediu ao governo brasileiro que seja um "líder" mundial em matéria ambiental.

A manifestação levou dezenas de ativistas e delegados que participam do Fórum Permanente para Assuntos Indígenas das Nações Unidas para a frente da sede da Missão do Brasil nas Nações Unidas, em Manhattan, no qual o projeto da represa foi um dos protagonistas.

"O Brasil foi pioneiro nos biocombustíveis e tem a maravilhosa oportunidade de ser também um líder nessa encruzilhada na qual se encontram muitos países", assegurou Weaver, que há duas semanas acompanhou o diretor de cinema James Cameron à região da Amazônia que deve ser afetada pelo projeto.

A protagonista de Alien - O Oitavo Passageiro (1979) instou o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a apostar em "um modelo energético do século 21", no lugar de um projeto "com tantas consequências negativas".

Dano irreparável. Segundo seus críticos, a construção da Hidrelétrica de Belo Monte provocará um dano ambiental irreparável e obrigará o deslocamento de 50 mil indígenas e camponeses do Estado do Pará, onde está prevista sua construção sobre o curso do Rio Xingu. Para Weaver, as autoridades brasileiras deveriam se "concentrar nas energias renováveis e no consumo eficiente de energia".

"Aqui estamos nos desfazendo das represas, que foram um pesadelo para o meio ambiente e não produziram a energia que se supunha", assegurou a atriz americana. "Acho sinceramente que o Brasil pode ser um líder no meio ambiente e não tem por que seguir nossos passos e cometer nossos erros", insistiu.

Em sua viagem no começo deste mês ao Brasil, a atriz foi acompanhada ? além de Cameron, o diretor de Avatar ? de outro protagonista do filme, o ator Joel David Moore.

A oposição pública à Hidrelétrica de Belo Monte ? junto aos paralelismos entre o argumento de Avatar e as ameaças que afrontam os povos indígenas, ?transformou essas estrelas de Hollywood nos rostos mais visíveis da oposição internacional aos planos do governo brasileiro. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.