Silas "desconhece" negociações sobre preço do gás

O ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, disse nesta quarta-feira que "desconhece" qualquer negociação do preço referente ao gás natural importado da Bolívia pela Petrobras. "Os negócios estão sendo tratados diretamente pelas empresas (Petrobras e Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos - YPFB)", disse, admitindo que "eventualmente" também é tratado entre os presidentes dos países". Rondeau foi "econômico" em suas palavras, ao seu indagado sobre o tema durante entrevista coletiva na Petrobras sobre integração energética com o Uruguai, e evitou se estender sobre o assunto. Ele preferiu não comentar sobre as declarações do presidente boliviano, Evo Morales de que conversaria com o presidente Lula sobre o aumento dos preços do gás natural que o Brasil compra da Bolívia. O governante boliviano, que deseja negociar pessoalmente um aumento no preço do gás natural consumido pelo Brasil, havia afirmado que só compareceria à reunião caso Lula aceitasse discutir o assunto.Negociações As negociações do novo preço do gás natural boliviano começaram há três meses. Mas foram interrompidas pela nacionalização dos hidrocarbonetos na Bolívia e pelas discussões sobre uma dívida brasileira no contrato de exportação iniciado em 1999.Pela cláusula "take or pay", entre os anos 2000 e 2005 o Brasil não consumiu o volume que constava do acordo. Com isso, deixou de pagar US$ 450 milhões, segundo os cálculos do governo boliviano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.