Sinais de um segundo trimestre mais forte

ANÁLISE: José Paulo Kupfer

O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2013 | 02h07

Entendido como uma "prévia" do PIB, o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), calculado mensalmente pelo Banco Central, registrou aceleração da economia em abril ante um março revisado para cima - o crescimento de 0,7% sobre fevereiro foi agora ajustado para 1,07%.

As projeções para maio apontam um recuo do IBC-Br em relação a abril. Mas o resultado de abril foi suficientemente forte para indicar uma expansão do PIB, no segundo trimestre do ano, superior ao 0,6% registrado no período janeiro-março.

Especialistas projetam, para o período abril-junho, um avanço da economia entre 0,8% e 1,2%. Porém, mesmo com o bom número de abril e as boas expectativas para o segundo trimestre, as previsões para o ano como um todo não sofreram alteração significativa. O crescimento em 2013, no momento, continua a se concentrar no intervalo entre 2,3% e 2,9%.

Desde que começou a ser apurado com abrangência nacional, em 2010, o IBC-Br mantém aderência com o sentido e o ritmo da expansão da economia. Decorridos 13 trimestres, contudo, a coincidência com a variação exata do PIB trimestral, calculado pelo IBGE, só se deu em 40% dos casos. Em duas oportunidades - no primeiro trimestre de 2011 e no primeiro trimestre de 2013 - a discrepância chegou a 100%.

A média móvel trimestral de variação do IBC-Br é a métrica preferida dos analistas para comparar os resultados do IBC-Br com os do PIB. No período fevereiro-abril, o indicador do Banco Central registrou expansão de 1,4% (5,6% anualizados) sobre o trimestre novembro-janeiro, a mais alta desde os primeiros meses de 2011, quando a economia ainda transbordava com o crescimento de 7,5% de 2010.

Apesar do recuo esperado em maio, no período março-maio a média móvel do IBC-Br poderá apontar, de acordo com as estimativas dos analistas, avanço ainda mais forte. Caso as previsões se confirmem, será o sexto trimestre (não civil) consecutivo de alta, num movimento que começou em dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.