Sincopetro: venda de combustível adulterado distorce preços

A venda de gasolina e álcool adulterados pode estar distorcendo os preços dos combustíveis pesquisados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) no Estado de São Paulo. A avaliação é do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado (Sincopetro), que acusa a ANP de pesquisar preços em pelo menos 200 postos que já foram autuados e interditados pelo comércio irregular de combustíveis."Tem postos que já foram fechados 12 vezes por causa de produtos adulterados mas continuam sendo pesquisados pela ANP", reclama o presidente do Sincopetro, José Alberto Paiva Gouveia. Segundo ele, entre os postos visitados para a elaboração da pesquisa semanal de preços da ANP, há vários vendendo álcool, por exemplo, abaixo de preço de custo, que seria de R$ 1,24 por litro para a cidade de São Paulo. De fato, o levantamento da última semana aponta que 36 postos, em um universo de 642 pesquisados na capital, vendiam o produto a R$ 1,24 ou menos."Quem vende produtos abaixo do preço de custo não pode ser honesto", afima Gouveia, que pediu à ANP a retirada dos postos interditados da lista de pontos que são visitados semanalmente pela empresa responsável pela pesquisa de preços. O sindicato reclama que as distorções no levantamento de preços prejudicam os revendedores "que recolhem impostos", ao indicar preços médios menores para cada região. Na cidade de São Paulo, por exemplo, o preço médio do álcool na semana passada era de R$ 1,371 por litro, segundo a ANP. Na pesquisa sobre a gasolina, a agência detectou um preço médio de R$ 2,398 por litro na capital. Segundo Gouveia, com a retirada dos postos interditados por adulteração, que representam cerca de 14% da lista de pontos pesquisados em todo o Estado, o preço médio da gasolina e do álcool em São Paulo poderia subir cerca entre 10% e 12%.A ANP respondeu, por meio de sua assessoria de imprensa, que, uma vez interditado, um posto de gasolina pode retomar as operações após regularizar sua situação. Disse ainda que a pesquisa de preços dos combustíveis se propõe a captar uma fotografia real do mercado e que eventuais distorções serão corrigidas com fiscalização ou investigações de crimes contra a ordem econômica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.