Sindicalistas cruxificados cobram solução do governo paraguaio

Nove trabalhadores foram pregados em cruzes de madeira contra demissões, mas após quase um mês empresa recusa-se a aceitar pedido de recontratação

Efe,

11 de setembro de 2013 | 15h55

ASSUNÇÃO - Nove trabalhadores paraguaios continuam com as mãos pregadas em cruzes de madeira em protesto contra demissões de motoristas de uma empresa de transportes coletivos.

Os trabalhadores estão há quase um mês protestando contra a demissão que segundo eles foi uma represália da empresa à criação de um sindicato para representar a categoria nas negociações trabalhistas.

A sindicalista María Concepción Candia, uma das que se ofereceram para o sacrifício destinado a chamar a atenção para as demissões, participou com os outro oito crucificados de um protesto nesta terça-feira, 11, em frente ao Ministério do Trabalho do Paraguai.

Os motoristas e sindicalistas querem que a empresa readmita todos os demitidos.

Os cruxificados permanecem acampados na cidade de Luque, em frente à empresa Vanguardia S.A., que despediu os funcionários alegando necessidade de reestruturação. As demissões foram anunciadas após a criação do sindicato.

Tudo o que sabemos sobre:
Paraguaisindicalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.