Sindicalistas elogiam aprovação da correção do IR

Os sindicalistas comemoram a decisão da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara de aprovar o projeto de lei que prevê a correção em 56% da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). Para o presidente da CUT, Luiz Marinho, a aprovação vai fortalecer a pressão e o diálogo com o governo. ?O Congresso tinha que assumir de fato essa responsabilidade. Nós estamos cobrando a correção desde o ano passado?, disse.O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Lopez Feijoó, disse que o Congresso percebeu que a correção da tabela do IR tem respaldo popular. Na avaliação dele, a pressão popular é que vai conseguir ?virar? o jogo e fazer com que o governo faça a correção da tabela. Ele também conta com o calendário eleitoral desse ano para fazer com que os parlamentares aprovem a mudança.Os técnicos da CUT e do Sindicato dos Metalúrgicos tiveram hoje uma reunião com a Receita Federal para discutir as simulações que estão sendo feitas para as mudanças no IR. ?Embora o Palocci tenha descartado, o governo está operando para fazer a correção?, disse Feijoó. ?Por que o presidente Lula teria então assumido o compromisso com os trabalhadores de corrigir a tabela??.Segundo Marinho, não há espaço para o governo não corrigir a tabela esse ano e deixar para 2005 como denfendeu na terça-feira o ministro da Fazenda. ?A nossa reivindicação é a correção pura e simples da tabela. Mudanças na alíquota é uma opção do governo?, afirmou. A Receita Federal calcula que o governo federal poderá perder aproximadamente R$ 9 bilhões em arrecadação com a correção da tabela em 58,5%. O pedido de urgência legislativa para o projeto também já foi aprovado pelo plenário da Câmara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.