Sindicalistas esperavam mais, mas apontam avanços no IR

Os presidentes da CUT, Luiz Marinho, e da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, esperavam mais do governo quanto à proposta de correção da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), mas disseram que o desconto de R$ 100,00 na base de cálculo, de agosto até dezembro, incluindo o 13º, representa um avanço na negociação. "Esperávamos mais, mas é um benefício que nós conseguimos arrancar para o conjunto dos trabalhadores", afirmou Marinho.Ele contou que, inicialmente, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, queria as mudanças na tabela somente em 2005, proposta que foi rechaçada pelos sindicalistas. O ministro apresentou então uma sugestão para que o desconto de R$ 100,00 figurasse somente em 4 meses até o fim do ano, mas acabou prevalecendo o abatimento de agosto a dezembro e sobre o 13º.Ele disse que o governo vai apresentar uma proposta de reestruturação da tabela do IRPF para vigorar a partir de 2005. Segundo Marinho, a intenção é beneficiar os trabalhadores com salários mais baixos. Segundo o sindicalista, essa proposta pode prever, por exemplo, uma alíquota abaixo de 15% e uma acima de 27,5%.Paulo Pereira destacou que pelo acordo quem ganha menos vai ter uma redução maior de imposto. "Os que ganham mais vão continuar pagando um pouco mais, mas aqueles que ganham menos terão uma redução muito maior do que se fosse apenas a correção pela inflação de 11%", disse, numa referência ao pedido inicial que representava a defasagem na correção da tabela durante o governo Lula. O presidente da Força considerou que o resultado do encontro foi "uma conquista depois de tanta luta das centrais sindicais".O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, José Lopez Feijóo, disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva acabou cumprindo a promessa de mexer na tabela do IRPF. Feijóo observou que, evidentemente, preferia mais que o desconto de R$ 100,00 na base de cálculo, mas saiu satisfeito. "Em relação ao que nós tinhamos, que era nada, saímos com uma conquista como essa", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.