Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Sindicalistas protestam contra desemprego, inflação e juros em SP

Em ato realizado em frente à sede do BC, na Avenida Paulista, representantes de entidades criticam rumos da política econômica no País; decisão do Copom sobre a taxa de juros sai na quarta-feira

Mateus Fagundes, O Estado de S. Paulo

20 Outubro 2015 | 13h39

SÃO PAULO - A Força Sindical, a União Geral dos Trabalhadores e a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil protestaram na manhã desta terça-feira, 20, em frente à sede do Banco Central, na Avenida Paulista, em São Paulo, contra os juros altos. Segundo os organizadores, 600 pessoas participaram da manifestação.

O protesto ocorreu no mesmo dia em que teve início a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que anuncia amanhã a sua decisão sobre a taxa básica de juros. Para o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, mesmo que a taxa de juros se mantenha no atual nível de 14,25%, como sugere a estimativa dos 73 analistas ouvidos pelo Broadcast, serviço de informações da Agência Estado, o patamar da Selic ainda é muito alto.

"As taxas de juros estão causando um desarranjo muito grande na economia brasileira. Estamos vendo o dinheiro sair dos investimentos e do setor produtivo e indo para os bancos", afirmou. Torres acredita ainda que o aumento do desemprego está relacionado à alta dos juros e que não vê melhora da situação da economia brasileira no médio prazo. "Não vemos do lado do governo nenhum sinal para corrigir o eixo da economia", afirmou.

Os sindicalistas instalaram na calçada da Avenida Paulista um dragão inflável de 13 metros de altura com três cabeças, denominadas Inflação, Desemprego e Juros Altos. "O dragão é para simbolizar o medo da população em torno destes problemas", disse Torres.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o protesto ocorreu entre 9h30 e 12h e ocupou a calçada da Avenida Paulista e uma faixa da via no sentido Consolação. A Polícia Militar não concedeu estimativas sobre o número de participantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.