Sindicalistas são agredidos em assembléia na Johnson

Três sindicalistas ficaram feridos em uma confusão durante um protesto liderado pelo Sindicato dos Químicos, na portaria da fábrica da Johnson & Johnson, em São José dos Campos, no interior paulista. A categoria está em campanha salarial e pede um reajuste de 20% mais um abono de R$1.500. A proposta de 16% de aumento foi rejeitada pelos trabalhadores.O tumulto começou quando os três dirigentes sindicais tentavam entrar na fábrica para dar início a uma assembléia com os funcionários sobre a campanha salarial. Os seguranças da empresa tentaram impedir o acesso dos sindicalistas e decidiram fechar o portão automático. O portão caiu sobre os manifestantes, que foram socorridos ao pronto-socorro e liberados em seguida.Segundo a assessoria do sindicato, os diretores da entidade, Eder José da Costa, Pedro Celeste e Luiz Eduardo Sanches, que teve o braço quebrado, não foram socorridos pela empresa. De acordo com a direção do sindicato, novas manifestações estão sendo planejadas para a próxima semana. A Johnson & Johnson emprega atualmente cerca de 3,5 mil trabalhadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.