Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Sindicato canadense anuncia acordo prévio com a GM

Acordo, semelhante a alçanco nos EUA, abre caminho para que montadora receba mais ajuda do governo

Danielle Chaves, da Agência Estado,

22 de maio de 2009 | 14h31

O sindicato dos trabalhadores do setor automotivo do Canadá, o Canadian Auto Workers (CAW), informou que fechou um acordo prévio com a General Motors que abre caminho para que a montadora receba mais ajuda do governo canadense. O anúncio foi feito um dia depois de a GM chegar a um acordo com o sindicato dos Estados Unidos, o United Auto Workers (UAW).

 

Veja também:

linkVeja detalhes do pedido de concordata da Chrysler

linkAcompanhe a trajetória da Chrysler até o pedido de concordata

linkConheça o perfil da montadora norte-americana

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

O pacto - a terceira vez em um ano que o sindicato aceita cortes de custos - vai congelar os aumentos das pensões até 2015, enquanto protegerá os benefícios dos aposentados atuais. Além do congelamento das pensões dos trabalhadores da GM, o CAW concordou em abrir mão de aumentos relacionados ao custo de vida e em pedir aos aposentados que cubram uma parte maior de seus gastos com saúde.

 

O presidente do CAW, Ken Lewenza, afirmou que um pedido de concordata da GM é agora "muito provável", apesar de a companhia estar fazendo tudo o que pode para conseguir se reestruturar fora dos tribunais. O acordo trabalhista ainda seria mantido no caso de uma concordata, disse Lewenza.

 

O governo do Canadá seguiu a administração de Barack Obama ao pedir uma rodada de concessões e de corte de custos como condição para a montadora receber suporte federal. Lewenza disse que o governo aprovou o acordo trabalhista na noite de quinta-feira. "As consequências de dizer 'não' seriam desastrosas", disse o sindicalista. Os trabalhadores vão votar sobre o acordo no domingo e na segunda-feira.

 

O governo do Canadá prometeu conceder à GM US$ 3 bilhões para ajudá-la a se reestruturar. As negociações entre o governo canadense e a GM em relação à manutenção dos empregos no país prosseguem. O governo canadense também forneceu ajuda à Chrysler, que está em concordata, depois que a montadora fechou um acordo com o CAW similar ao anunciado nesta sexta com a GM.

 

O fundo de pensão da GM no Canadá continua com uma deficiência de entre US$ 6,5 bilhões e US$ 7 bilhões. O CAW acredita que provavelmente vai demorar 10 anos para que a montadora cumpra suas obrigações com pensões. Segundo Lewenza, o acordo anunciado nesta sexta vai poupar à GM US$ 8,6 mil por cada membro enquanto durar o contrato elaborado segundo o acordo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.