Niulton Fukuda/Estadão
Niulton Fukuda/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Sindicato de metalúrgicos deve receber R$ 140 milhões por venda da sede em São Paulo

Entidade ocupa imóvel, no bairro da Liberdade, há mais de 20 anos; concorrência aberta há um mês recebeu mais duas propostas

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2019 | 17h55

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo aguarda a confirmação do grupo que ofereceu R$ 140 milhões pelo prédio no tradicional bairro da Liberdade para concretizar a venda do imóvel ocupado pela entidade há mais de 20 anos. O presidente do sindicato, Miguel Torres, diz que ainda não sabe quem é o autor da proposta de compra em concorrência aberta há pouco mais de um mês.

Torres espera que o negócio seja concluído em até cinco dias. “Recebemos visitas de vários interessados, entre os quais bancos, hospitais e faculdades”, diz. Entre as melhores propostas, além da selecionada, havia uma de R$ 100 milhões e outra de R$ 120 milhões para pagamento em 24 parcelas.

Paralelamente, a entidade avalia a compra de um imóvel menor e, segundo o dirigente, uma das possibilidades é a sede da Força Sindical, à qual a é filiada. Ela fica ao lado do sindicato, e é avaliada em cerca de R$ 12 milhões. Esse prédio foi a leilão há cerca de dois meses mas as propostas foram muito baixas, segundo Torres.

O prédio atual dos metalúrgicos tem 14 andares, auditório e três subsolos de garagem. A entidade também colocou à venda a colônia de férias na Praia Grande e o Clube de Campo de Mogi das Cruzes. “Mas se vendermos o prédio principal não precisaremos vender os outros”, diz Torres.

Sem imposto sindical

O sindicato tem dívidas de cerca de R$ 18 milhões com fornecedores e empréstimos, valor que vem se acumulando desde a reforma trabalhista, em vigor há dois anos, e que estabeleceu o fim da cobrança obrigatória da contribuição sindical, que equivalia a um dia de trabalho de cada trabalhador com carteira assinada e era a principal fonte de renda de sindicatos, incluindo os patronais, que recolhiam o imposto das empresas.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos ressalta que, além do fim do imposto obrigatório, o alto índice de desemprego no País contribuiu para a queda da arrecadação da entidade. Segundo ele, há quatro anos a base dos metalúrgicos em São Paulo era formada por 230 mil a 240 mil trabalhadores, número hoje reduzido a no máximo 120 mil a 130 mil. O total de sindicalizados caiu de 60 mil para 22 mil no mesmo período.

 

Clube e colônia abertos a terceiros

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo vendeu, há pouco mais de um ano, um prédio que alugava para terceiros (como forma de investimento) por R$ 10,4 milhões. Também negociou com grupos privados a administração do clube de campo em Cotia e a colônia de férias na Praia Grande. Sócios da entidade entram gratuitamente, mas outras pessoas não ligadas à categoria podem usar os centros de lazer pagando mensalidades aos administradores.

As centrais sindicais Força, CUT, UGT e CSB discutem com o governo uma reforma sindical que estabeleça a cobrança da contribuição negocial – porcentual do salário a ser cobrado uma vez ao ano após o acordo coletivo (data-base) das categorias. “As negociações salariais envolvem todos os trabalhadores e não apenas os sindicalizados”, justifica Torres. Alguns sindicatos já fazem essa cobrança, aprovada em assembleias, mas enfrentam ações judiciais.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.