Sindicato de petroleiros denuncia vazamentos em instalações da Petrobrás em Sergipe

Furo em duto causou vazamento de 7 mil litros de óleo no mar durante a madrugada; sindicato acusa a estatal de investir pouco em manutenção e segurança

Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2015 | 16h51

RIO - O Sindicato dos Petroleiros de Sergipe e Alagoas (Sindipetro AL/SE) denunciou nesta sexta-feira, 24, a ocorrência de dois vazamentos - de óleo e ácido - em instalações da Petrobrás em Sergipe. Por conta de um furo de 16 polegadas em um duto interligado à plataforma PMC-5, 7 mil litros de óleo foram derramados no mar durante a madrugada. Na fábrica de fertilizantes Fafen, um descontrole na unidade de sulfato de amônio gerou o vazamento de ácido.

O sindicato acusa a Petrobrás de investir pouco em manutenção e segurança nas instalações locais. "Diante dessas denúncias e das nossas exigências foi criada uma comissão tripartite, com representantes do sindicato, do Ministério Público do Trabalho e Emprego (MTE), e da Petrobrás. Conseguimos obrigar a empresa a sanar alguns problemas que colocam em risco a vida dos trabalhadores, porém ainda existem muitas demandas, como a necessidade constante de manutenção", afirmou o diretor do Sindicato, Stoessel Chagas, em nota oficial.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou que o vazamento já foi estancado e que o volume envolvido é considerado de pequeno porte.

"No momento, estamos mantendo contato com a Marinha, que está acompanhando a dispersão da mancha oleosa por meio de sobrevoos de helicóptero. Como é de praxe, a ANP poderá abrir investigação de incidente, além de exigir que a operadora realize sua própria investigação e continuará acompanhando as operações de contenção e dispersão que estão sendo executadas", informou a agência, por meio de sua assessoria de imprensa.

Por causa do vazamento, quatro plataformas, produtoras de 400 barris por dia e 60 mil metros cúbicos de gás natural, estão sem produzir e só devem retornar depois de resolvido o problema. São elas a: PCM-5, PCM-6, PCM-8 e PCM-9.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.