Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Sindicato de servidores do Ipea reage a 'ofício da mordaça' e critica 'cerceamento ideológico'

A ameaça de punição de servidores deflagrou a reação do sindicato que representa o corpo técnico do órgão

Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2021 | 21h15

BRASÍLIA - A ameaça de punição de servidores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) caso divulguem estudos e pesquisas antes de “conclusão e aprovação definitiva” deflagrou a reação do sindicato que representa o corpo técnico do órgão. Em nota, a Afipea-Sindical classificou o ato, que está sendo chamado por pesquisadores de “ofício da mordaça”, como assédio institucional e um “passo em direção ao obscurantismo e ao cerceamento ideológico”.

O presidente da entidade, José Celso Cardoso Júnior, afirma que o comunicado da presidência do Ipea é um retrocesso e afronta práticas históricas de investigação científica do instituto. “Mesmo durante a ditadura, servidores do Ipea tinham liberdade de confrontar questões e publicar”, afirma.

O polêmico ofício é assinado pelo presidente do Ipea, Carlos Von Doellinger, escolhido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda na campanha de 2018 para comandar o instituto. Enviado na última quinta-feira (4), o documento diz que as pesquisas são “direito patrimonial” do Ipea, e que o desrespeito às normas pode caracterizar infração disciplinar, sujeita a punição.

O comunicado despertou reação negativa no corpo técnico, que vê na medida uma tentativa de coibir publicações de estudos com conteúdo mais crítico a políticas governamentais. O sindicato diz se tratar de tentativa de “controle político-ideológico” e vê na conduta de Doellinger ato de improbidade administrativa.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, servidores temem que o episódio transmita a mensagem de que o Ipea agora só vai publicar estudos “chapa-branca”, ou seja, alinhados ao governo, o que arranharia a credibilidade e a relevância do órgão. Embora tenha em seu histórico episódios polêmicos envolvendo suspeitas de ingerência política, servidores do Ipea consideram que o corpo técnico é plural em termos de campos de pesquisa e visões.

Além da ameaça de punição, o ofício gerou desconforto porque foram usadas expressões vagas, deixando dúvidas até mesmo sobre a possibilidade de pesquisadores publicarem artigos e estudos em publicações de fora do Ipea, o que geralmente traz prestígio à instituição e agrega conhecimento, pois os textos são revisados por pares do mundo científico. Integrantes do órgão já publicaram em revistas respeitadas internacionalmente, como Nature e Science.

Segundo a Afipea-Sindical, a manifestação pública de servidores é fundamental para a preservação da democracia, e a crítica de políticas é conduta essencial para que os pesquisadores possam embasar o processo de decisão dentro da administração pública.

“A liberdade de expressão e de pensamento e o pluralismo político são condições sem as quais o governo democrático se converte em autocracia”, diz a nota da entidade. “O servidor deve lealdade ao interesse público, ainda quando isso implique criticar a orientação governamental da ocasião. Criticar o que está em contradição com o interesse público é conduta admirável nos servidores públicos, sendo absolutamente incompatível com a Constituição Federal furtar-lhes essa prerrogativa.”

A assessoria de imprensa do Ipea disse em nota que o ofício "tem como único objetivo informar os agentes públicos sobre a existência de normas que regulamentam a divulgação de estudos realizados” pelo órgão e negou que haja tentativa de cerceamento.

"O critério para que o Ipea produza determinada publicação permanece sendo a aprovação prévia do projeto pela respectiva diretoria de pesquisa e sua inclusão no plano de trabalho em vigência. Os projetos precisam ser aderentes à missão do instituto e ter sido executados com rigor técnico e metodológico aferido por pareceres. O Ipea reitera seu histórico respeito à liberdade de pensamento e de expressão", diz o instituto.

Essa não é a primeira vez que o instituto fica no centro de suspeitas de ingerência. Em 2014, o então diretor de Estudos e Políticas Sociais do Ipea, Herton Araújo, entregou o cargo após a cúpula do órgão impedir a publicação, no período eleitoral, de um estudo inédito sobre a evolução no número de miseráveis no governo Dilma Rousseff (PT).

Em 2007, o então presidente do órgão, Márcio Pochmann, foi acusado de ter feito “expurgos” com o afastamento de quatro pesquisadores críticos às políticas governamentais, dois deles cedidos do BNDES e outros dois sem vínculo empregatício. Na época, ele negou qualquer perseguição.

Mais recentemente, no governo Michel Temer, o chefe do Ipea na ocasião, Ernesto Lozardo, divulgou uma nota contestando informações que estavam em estudo publicado por dois pesquisadores do órgão e que citavam efeitos negativos do teto de gastos, ainda em tramitação no Congresso, sobre os gastos com saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.