Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Sindicato dos metalúrgicos repudia possível venda da Embraer à Boeing

Entidade exige que governo federal vete a operação e acredita que negociação vai comprometer postos de trabalho e a própria permanência da fábrica no País

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2017 | 18h28

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região divulgou nota nesta quinta-feira, 21, repudiando a possibilidade de venda da Embraer à norte-americana Boeing. "Única fabricante brasileira de aviões e terceira maior do setor no mundo, a Embraer é estratégica para o País e não pode ser vendida para capital estrangeiro. Exigimos que o governo federal vete a venda e, enfim, reestatize a Embraer como forma de preservar e retomar este patrimônio nacional", escrevem os sindicalistas.

O Sindicato entende ainda que as negociações de venda da Embraer já "vêm de longo tempo, longe dos olhos da população", uma vez que a operação depende do aval do governo, que detém golden shares da empresa - ações que lhe conferem poder de veto em assuntos como venda, programas militares e acesso à tecnologia. A entidade lembra que, no dia 19 de julho, o Ministério da Fazenda solicitou uma consulta ao Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a possibilidade de abrir mão das golden share da Embraer e outras empresas.

++ Embraer fecha contrato com American Airlines para 10 jatos E175

Os sindicalistas destacam ainda que a fabricante emprega atualmente cerca de 16 mil trabalhadores no Brasil, e já vinha adotando uma política de desnacionalização da produção. De acordo com a entidade, a venda para a Boeing vai comprometer esses postos de trabalho e a própria permanência da fábrica no País. 

Mais conteúdo sobre:
Embraer Boeing

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.