Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Sindicato e conselho apóiam trocas e atacam BC

Para as entidades de economistas, nova diretoria do Ipea é a que critica a política de juros

Ribamar Oliveira e Sérgio Gobetti, Brasília, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2007 | 00h00

As mudanças no Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) começam a dividir a própria categoria dos economistas. Composto majoritariamente por pensadores heterodoxos e desenvolvimentistas, as diretorias do Sindicato dos Economistas e do Conselho Regional de Economia (Corecon) do Estado do Rio de Janeiro aprovaram uma moção de solidariedade ao novo presidente do Ipea, Márcio Pochmann, e ao novo diretor de Macroeconomia, João Sicsú. Ambos foram criticados por afastar recentemente da instituição pesquisadores de pensamento econômico diferente."A mudança no comando do Ipea traduz a nova orientação (embora ainda tímida e incompleta) do presidente Lula no sentido de melhorar os resultados obtidos pelo Brasil em termos de desenvolvimento", diz a nota das entidades.O texto acirra a polêmica ao dizer que "os quatro economistas desligados do Ipea jamais se colocaram firmemente contra o conservadorismo alienante do Banco Central".Segundo a diretoria do Corecon, "os economistas brasileiros se dividem hoje entre os que aceitam e os que rejeitam a visão neoliberal do Banco Central, que, presentemente, comanda os destinos econômicos do País".A crítica é feita para tentar demonstrar que a mudança no instituto não tem o objetivo de calar os ataques ao governo porque é "a nova diretoria do Ipea, e não os quatro pesquisadores dispensados, que deve ser considerada contrária à política econômica oficial."DIVERGÊNCIAAo tomar conhecimento da moção, o economista José Roberto Afonso apresentou um protesto formal. "Também defendo mudanças na política econômica, mas isso não me autoriza a faltar com respeito com meus pares com opinião diferente", disse Afonso, em mensagem eletrônica enviada às diretorias do sindicato e do conselho."A função dessas instituições é defender os economistas e não os seus patrões", continuou Afonso. "Lamento profundamente e espero que defendam todos os economistas, seja qual for a opinião deles."Em entrevista ao Estado, José Roberto Afonso criticou "a falta de respeito" com que o sindicato e o conselho trataram os economistas afastados do Ipea, incluindo Fábio Giambiagi.Para o economista, existe atualmente "um preconceito intelectual" que procura "rotular os economistas de acordo com as universidades em que estudaram ou as instituições em que trabalham".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.