Sindicato pede redução da jornada de trabalho na Vale

Em contrapartida, Cutvale exige a revogação de todas as demissões ocorridas desde o primeiro dia de novembro

Kelly Lima, da Agência Estado,

23 de dezembro de 2008 | 16h23

Os Sindicatos da Coordenação Única dos Trabalhadores da Companhia Vale (Cutvale) informaram que aceitam discutir uma redução na jornada de trabalho dos trabalhadores da companhia. Em nota à imprensa divulgada nesta terça-feira, 23, eles exigem, em contrapartida, a revogação de todas as demissões ocorridas desde o primeiro dia de novembro.   Veja também: Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    Segundo nota da Cutvale, proposta nesta linha foi encaminhada na segunda-feira ao presidente da Vale, Roger Agnelli, ao presidente do Conselho de Administração da companhia, Sérgio Ricardo Silva Rosa, à diretora de Recursos Humanos Carla Grasso e ao diretor de Relações Trabalhista e Clima Organizacional, Roberto Rui Lima de Figueiredo.   No documento, a coordenação propõe discutir soluções que "poderiam amenizar a crise que está ocorrendo na Vale". "Este momento requer da direção da empresa, bem como dos representantes dos trabalhadores, reflexão e atitudes construtivas, objetivando a superação deste momento sem insegurança, que resulta apenas em desconfiança e insatisfação da força produtiva da Vale", diz a nota.   Segundo o diretor da Cutvale, Jorge Luiz Campos, há a expectativa de que representantes do sindicatos se reúnam com a empresa em janeiro. Até o momento a Vale anunciou 1,3 mil demissões de trabalhadores. Mas a Cutvale alega que já são 3 mil funcionários diretos que foram desligados, mais cerca de 6 mil trabalhadores terceirizados.   "Sabemos que é complicado rever demissões, mas vamos insistir nisso, além de pedir à empresa que suspenda sua política de demissões que vem continuando, para dar mais tranqüilidade aos funcionários contratados hoje", diz a nota.   A assessoria de imprensa da Vale informou que o número de demitidos foi mesmo de 1,3 mil trabalhadores. A empresa não comentou a carta dos sindicatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.