Sindicato propõe que estatais dêem moratória de 3 meses à Varig

A presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziela Baggio, defendeu hoje a concessão, pelas empresas estatais que são credoras da Varig, de um prazo de três meses para que a empresa aérea volte a pagar suas dívidas. "Isso daria um fôlego para a empresa se recuperar", afirmou a sindicalista, que deixou na tarde de hoje o Ministério do Trabalho onde ela e outros sindicalistas, além de representantes da Varig, se reuniram com o secretário de Relações do Trabalho, Mário Barbosa. Baggio criticou a proposta protocolada há pouco no Palácio do Planalto pelos Trabalhadores do Grupo Varig (TGV) , na qual eles se dispõem a abdicar do fundo de pensão (Aerus), sugerindo que esse dinheiro, estimado em US$ 100 milhões a US$ 150 milhões, seja usado no saneamento da companhia, contribuindo para reduzir custos de operação. Parte do dinheiro, segundo os funcionários, daria para pôr 21 aeronaves que estão paradas novamente em condições de vôo. Os sindicalistas e os representantes dos funcionários da Varig foram para o Ministério da Defesa, onde se reunirão com o ministro Waldir Pires para novas conversas. Acompanharam um grupo de funcionários vários parlamentares, entre eles os deputados Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Beto Albuquerque (PSB-RS), Yeda Crusius (PSDB-RS) e Darcísio Perondi (PMDB-RS). Eles queriam ser recebidos pelo presidente ou pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, mas não o conseguiram. Logo mais, às 17h30, o grupo de funcionários vai reunir-se com os ministros da Defesa, Waldir Pires, e do Trabalho, Luiz Marinho, no Ministério da Defesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.