finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Sindicato reclama no STJ que IBGE não renova contrato de temporários em greve

Balanço aponta que cerca de 100 funcionários temporários não tiveram o contrato renovado; órgão diz que não houve demissões, já que a opção estaria prevista no tipo de vínculo empregatício

Daniela Amorim, O Estado de S. Paulo

10 de julho de 2014 | 16h48

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) já possui cerca de 100 trabalhadores temporários que não tiveram seus contratos renovados em todo o País por conta da greve de funcionários no órgão. A informação é do sindicato nacional de servidores, o ASSIBGE-SN.

"Ao todo já são cerca de 100 (trabalhadores temporários) que não tiveram seus contratos renovados, nos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Alagoas, todos durante o período de greve", informou o ASSIBGE-SN, em nota enviada à imprensa.

A greve no instituto teve início no fim de maio. Segundo o IBGE, não houve demissões, mas sim a opção pela não renovação do contrato de alguns trabalhadores temporários, o que estaria previsto no tipo de vínculo empregatício acertado com esses empregados.

O órgão informou não ter um balanço de quantos temporários foram dispensados no período de renovação, mas explicou que os contratos têm duração de apenas três meses, podendo ser renovado a cada trimestre, por um período máximo de três anos. Antes de cada renovação, o funcionário passa por uma avaliação, que mede o desempenho de acordo com critérios como produtividade e assiduidade.

O ASSIBGE-SN declarou que já formalizou uma contestação contra a dispensa dos temporários grevistas junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). No entanto, o tribunal só deve se pronunciar sobre o assunto após o recesso judiciário, no início de agosto.

O sindicato afirma que a medida fere o direito de greve previsto em lei. "A Constituição Federal, em seu artigo 9º, assim como a Lei nº 7783/89, em seu parágrafo único do artigo 7º, prevê que 'É vedada a rescisão de contrato de trabalho durante a greve, bem como a contratação de trabalhadores substitutos'", salientou o sindicato, em seu comunicado.

Servidores da Unidade Chile/RJ do IBGE, onde funciona a Diretoria de Pesquisas, no centro do Rio, decidiram na quinta-feira, 10, em assembleia pelo fim da greve e retomada dos trabalhos. A unidade concentra as coordenações responsáveis pelos principais indicadores econômicos do País, como o Produto Interno Bruto (PIB), inflação oficial (IPCA), taxa de desemprego, produção da indústria, safra agrícola e vendas do varejo.

Tudo o que sabemos sobre:
ibgegrevesindicato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.