Sindicatos alertam sobre desemprego em negociação da OMC

Sindicatos de 153 países pedem que Brasil e outras economias emergentes não façam concessões no setor industrial para impedir que a abertura da economia gere desemprego. O apelo foi feito nesta sexta-feira, 9, em um comunicado assinado também pela Central Única dos Trabalhadores (CUT). Segundo os sindicalistas brasileiros, as exigências dos Estados Unidos e Europa na Organização Mundial do Comércio (OMC) poderiam gerar a eliminação de até 2 milhões de postos de trabalho no Brasil.Os representantes da CUT também estiveram reunidos com o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Pascal Lamy, para fazer o mesmo alerta. Na avaliação da entidade, os empregos que serão criados em uma eventual abertura dos mercados agrícolas para as exportações brasileiras não serão suficientes para compensar perdas no setor industrial se as propostas dos Estados Unidos e Europa forem acatadas nas negociações da Rodada Doha da OMC.O argumento é de que haverá mais postos de trabalho eliminados com uma liberalização no setor industrial que o número de empregos criados na agricultura. Os países ricos pressionam os mercados emergentes na OMC para que abram seus mercados para produtos industriais como forma de pagamento pelas concessões que fariam no setor agrícola. A negociação, porém, vive um momento de impasse, já que os países ricos estão evitando oferecer aberturas de seus mercados que signifique um real aumento das exportações brasileiras ou de outros países emergentes.Para os sindicatos reunidos em Genebra, os países em desenvolvimento já fizeram concessões nos anos 90 durante a Rodada Uruguai. "Naquela época, perdemos 3 milhões de postos de trabalho com a abertura que ocorreu na economia brasileira", afirmou um representante da CUT. Desta vez, o chanceler Celso Amorim deixou claro que o governo está disposto a criar linhas de crédito para financiar os setores que serão afetados pelo corte de tarifas de importação. O plano está sendo debatido com o Ministério da Fazenda.Para ele, as promessas não são suficientes. Uma das críticas dos sindicalistas é de que o governo não está sendo transparente em relação ao que está disposto a oferecer aos países ricos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.