FABIO MOTTA | ESTADÃO CONTEÚDO
FABIO MOTTA | ESTADÃO CONTEÚDO

Sindicatos dizem que podem ir à Justiça contra plano de austeridade no Rio

Para representante dos policiais militares, quem faliu o Estado não foi o funcionalismo

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2016 | 21h33

A dentista Djaura dos Santos de Oliveira, de 67 anos, aposentada como funcionária do antigo Hospital dos Servidores do Estado do Rio, estava em casa quando soube, pelo telejornal da hora do almoço, das medidas de ajuste anunciadas pelo governo fluminense, incluindo a cobrança de alíquota de 30% dos inativos e pensionistas.

“Na hora que ouvi, quase enfartei”, disse Djaura, que está convicta de que as leis que criam as medidas não passarão na Assembleia Legislativa. “Se passarem, perco a esperança no País.”

As medidas também foram alvo de críticas de sindicatos e associações de servidores. Para o presidente da Federação das Associações e Sindicatos de Servidores Públicos no Estado do Rio de Janeiro (Fasp-RJ), Álvaro Ferreira Barbosa, “colocar a mão nos aposentados e pensionistas” deveria ser o último recurso.

“Se o governo dissesse que, a partir deste mês, ninguém vai ganhar mais de R$ 5 mil, seria ruim, mas estaria tirando de quem tem”, disse Barbosa. Para o líder sindical, existem “soluções drásticas para cima”, mas o governo adotou medidas “para baixo”.

Essa é uma preocupação também de Djaura. “Tenho a graça de poder trabalhar. Tenho saúde e minha profissão permite”, disse a dentista, demonstrando preocupação com quem ganha pouco e perderá quase um terço dos vencimentos.

Desde que se aposentou, com vencimento hoje em torno de R$ 2.600, Djaura mantém um consultório particular, na Tijuca, zona norte do Rio. Quando o Estado começou a atrasar os pagamentos no início do ano, a saída foi trabalhar mais: a dentista passou a atender emergências nos fins de semana e feriados.

Ela crê que as medidas não passarão no Legislativo porque haverá pressão sobre os deputados. Segundo Barbosa, da Fasp-RJ, os movimentos sindicais começarão sua articulação na próxima semana. O primeiro passo é entender as medidas e dialogar com os parlamentares, mas medidas judiciais não estão descartadas, caso o pacote seja aprovado e vire lei.

Representantes da AME/RJ, associação que representa oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, participarão de uma reunião na segunda-feira, informou o presidente da entidade, Fernando Belo. “Quem faliu o Estado não foram os servidores, muito menos os militares”, disse, criticando as condições de trabalho dos policiais e a gestão do governo estadual.

O Estado vem cortando custos na segurança desde a virada do ano. Foi preciso economizar no papel para registrar ocorrências e no combustível das viaturas. Além disso, foi suspensa uma gratificação para horas extras, a RAS, que fazia com que os policiais ficassem mais tempo nas ruas, aumentando o policiamento. Belo disse que paralisações não estão descartadas, embora sejam o último recurso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.