Sindicatos gregos promovem greve geral contra plano de austeridade

Medidas, que serão votadas a partir de quarta-feira no Parlamento, enfrentam forte resistência popular.

BBC Brasil, BBC

27 de junho de 2011 | 23h23

Sindicatos gregos deram início nesta terça-feira (noite de segunda no horário de Brasília) a uma greve geral de 48 horas, em repúdio às medidas de austeridade propostas pelo governo.

Horas antes, o premiê grego, George Papandreou, havia discursado no Parlamento do país, pedindo apoio para a aprovação das medidas, que devem ir à votação nesta quarta e quinta-feira.

Elas preveem cortes orçamentários, aumento de impostos e privatizações e são exigidas pela União Europeia e pelo FMI para liberar a última parcela - de 12 bilhões de euros (R$ 27 bilhões) - de um pacote de resgate.

Papandreou disse aos parlamentares do país que o plano de austeridade é a "única chance" de colocar a Grécia "de pé novamente" e tirá-la da crise em que se encontra.

Mas as medidas enfrentam forte resistência popular. Nesta terça, são esperadas multidões nas ruas de Atenas, que estarão sendo observadas por 5 mil policiais.

A greve geral deve prejudicar o funcionamento da maioria dos serviços públicos do país, inclusive os aeroportos e linhas de trens.

O novo ministro das Finanças do país, Evangelos Venizelos, admitiu que os cortes propostos são "injustos", porém necessários. Ele instou os partidos políticos a trabalharem pelas medidas, para construir uma "força nacional maior".

A votação a ser iniciada nesta quarta é considerada crucial para o destino financeiro da Grécia. Se as medidas de austeridade forem rejeitadas, é possível que a UE e o FMI não liberem os 12 bilhões de euros, o que, por sua vez, deixaria os gregos muito perto de declarar uma moratória de sua dívida.

O correspondente da BBC em Atenas, Chris Morris, disse que uma derrota governamental na votação também provocaria temores por toda a zona do euro, que temerá o contágio da crise para outros países.

Papandreou fez nesta segunda um pedido à Europa, "para que dê à Grécia o tempo e os termos que ela necessita para pagar suas dívidas, sem estrangular o crescimento ou seus cidadãos".

Mas o principal líder da oposição, Antonis Samaras, do Partido Nova Democracia, disse que a ideia por trás do pacote de austeridade é falha e que os impostos deveriam ser, na verdade, reduzidos, para estimular a economia.

Resgate

Ao mesmo tempo, a União Europeia e o FMI já discutem um segundo pacote de resgate, que pode ser de tamanho semelhante ao do primeiro (de 110 bilhões de euros).

Mas os políticos querem, desta vez, que os credores privados também colaborem, relaxando a cobrança da dívida grega.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse nesta segunda-feira que os bancos de seu país ajudarão na recuperação grega ao estender para 30 anos o prazo de pagamento das dívidas e permitindo o reempréstimo a Atenas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.