Sindigás não espera queda no preço internacional de gás

O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) afirmou hoje que, ao contrário do que disse o secretário de Acompanhamento Econômico, José Tavares, o preço do gás no mercado internacional não tende a cair a partir de setembro. "Normalmente, o preço do gás no mercado internacional sobe no final do ano, em função do inverno no hemisfério Norte", disse o presidente da entidade, Lauro Cotta. Tavares disse anteontem que a queda no preço internacional e a nova regulamentação do setor, em estudo pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), iriam provocar uma redução no preço do botijão de gás. "Estamos alertando para o risco de frustração da sociedade devido a essa afirmação. O preço do gás tende a subir lá fora", reiterou Cotta. O Sindigás representa as grandes empresas do setor e pediu uma audiência com Tavares para apresentar sua proposta de regulamentação. A entidade defende a ampliação do subsídio às camadas mais pobres e a redução da carga fiscal, como medidas que provocarão uma queda no preço do produto, uma da principais preocupações do governo neste momento. Nova regulamentação O governo trabalha em uma nova regulamentação, com o objetivo de ampliar a competição no setor, informou Tavares. Para Cotta, o setor já é competitivo e eficiente, em comparação com outros países. Mesmo assim, ele disse que a concorrência é "bem-vinda", desde que seja "legítima e responsável, que jamais abra as portas a grupos suspeitos e sem condições técnicas e/ou financeiras que permitam um atendimento ao consumidor no nível de segurança que ele precisa ter". As empresas do Sindigás são alvo de investigações sobre cartel no âmbito do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência. Segundo documentos entregues à ANP e à Secretaria de Direito Econômico (SDE), as empresas costumavam combinar preços e impedir descontos em determinados mercados. Em entrevista concedida ontem, Tavares chegou a classificar o setor como "um grande cartel".

Agencia Estado,

15 Julho 2003 | 18h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.