SindusCon-SP: alta do IOF atinge a construção civil

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), João Claudio Robusti, disse que a indústria da construção civil acabou sendo afetada com as medidas tomadas pelo governo para compensar o fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). "Como todos os setores, nossas contratações de crédito para obtenção de capital de giro e insumos foram encarecidas com o aumento do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Da mesma forma foram atingidos os financiamentos para a aquisição de imóveis comerciais e os seguros", explicou Robusti.Segundo Robusti, ainda é cedo para dimensionar o impacto das medidas, "mas já ficou claro que dificilmente as construtoras conseguirão diminuir seus custos em função da extinção da CPMF, em razão da elevação do IOF".Ele considerou muito boa a decisão do governo de manter a isenção de IOF no crédito imobiliário da pessoa física. "Continua em vigor o artigo 9º do Decreto 6.306, de 14 de dezembro de 2007, que isenta do IOF a operação de crédito para fins habitacionais, inclusive a destinada à infra-estrutura e saneamento básico relativos a programas ou projetos que tenham a mesma finalidade", lembra."Agora estamos atentos ao PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Esperamos que o governo federal mantenha seu compromisso de não cortar verbas do programa", concluiu João Claudio Robusti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.