Sistema bancário inglês terá US$ 100 bi

Banco da Inglaterra lança pacote com objetivo de aliviar crise de liquidez

Daniela Milanese, O Estadao de S.Paulo

22 de abril de 2008 | 00h00

O Banco da Inglaterra (BOE) anunciou ontem um plano de ajuda ao sistema bancário, que enfrenta uma crise de liquidez no país. No valor de 50 bilhões de libras (cerca de US$ 100 bilhões), a medida permite que os bancos troquem temporariamente papéis do setor de hipoteca por títulos do governo. O objetivo é destravar as instituições financeiras, pois o elevado risco de contraparte existente hoje está impedindo que os bancos emprestem dinheiro entre si. "Pelo esquema, os bancos poderão, por um período, trocar ativos sem liquidez por Treasury Bills (títulos públicos) de boa qualidade", diz o comunicado do BOE. Segundo a autoridade monetária, atualmente, diversos mercados de crédito estão fechados e os bancos carregam em seus balanços muitos ativos baseados em hipotecas, que hoje não podem ser vendidos nem usados como garantias para a tomada de recursos novos.Segundo a nota, os bancos que acolherem o plano deverão fornecer ativos de um valor "muito mais significativo" do que os bônus do Tesouro que obterão em troca, para evitar que o contribuinte assuma o risco dos potenciais prejuízos.No entanto, conforme as regras do plano de ajuda, a responsabilidade pelas perdas com os empréstimos imobiliários continua com as instituições financeiras. A troca por títulos do governo terá período de um ano, renovável por no máximo mais três anos. O mecanismo só valerá para ativos existentes no fim de 2007 e não poderá ser usado para novos financiamentos.Durante o período de troca, os bancos terão de pagar uma taxa calculada com base no juro interbancário (Libor para três meses). O pacote ficará aberto por seis meses, contados a partir de ontem. "O plano especial do Banco da Inglaterra é desenhado para melhorar a posição de liquidez do sistema bancário e elevar a confiança no mercado financeiro, enquanto assegura que o risco de perdas nos empréstimos feitos ficará com os bancos", disse o presidente do BOE, Mervyn King, por meio de comunicado.Segundo o banco, "os mercados financeiros não estão operando de forma normal e, se não houver ação, pode haver um impacto na economia". O ministro da Economia, Alistair Darling, deve comparecer à Câmara dos Comuns para explicar o plano aos parlamentares.Analistas reagiram com ceticismo às medidas. "Ainda temos dúvidas se a extensão do programa pode resolver os problemas fundamentais no mercado de imóveis e seu impacto sobre o resto da economia", afirmou Jonathan Loynes, analista da Capital Economics.O Índice FTSE-100, da Bolsa de Valores de Londres, encerrou o dia em queda de 0,06%. "Grande parte da notícia de hoje (ontem) do Banco da Inglaterra já estava embutida nos preços das ações. O próximo passo é ver quão bem-sucedida essa ação será", afirmou Richard Hunter, presidente da Hargreaves Lansdown. "Claramente levará algumas semanas para vermos os resultados."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.