Site engloba consumo consciente e ações sociais

A partir de amanhã os consumidores podem contar com um novo site para avaliação da responsabilidade social das empresas e de suas ações sociais. O Instituto Ethos, que trabalha no desenvolvimento de responsabilidade social de empresas, lançará o site www.akatu.net neste Dia do Consumidor. Este site tem por objetivo construir uma comunidade virtual de relações entre consumidores, empresas e entidades sociais. A idéia é mostrar o poder dos consumidores sobre a consciência das empresas na melhora da qualidade de seus produtos e de seus serviços, no tratamento do meio ambiente e na atuação de trabalhos sociais.O site vai mostrar ao consumidor como avaliar uma empresa através de sua responsabilidade social e às empresas, a importância de investir com responsabilidade social para conquistar clientes. Os itens que devem ser avaliados, segundo o site, são conduta ética, valorização dos recursos humanos, combate ao trabalho infantil, gerenciamento do impacto ambiental, política dos fornecedores, apoio a projetos sociais e de voluntariado e qualidade de produtos e serviços.O diretor-presidente do www.akatu.net, Hélio Mattar, ressalta que o site será um espaço educativo, onde o consumidor poderá selecionar as empresas de sua preferência através da responsabilidade social. "Além da procura por qualidade, preço mais barato e facilidades de pagamento, o consumidor poderá avaliar a empresa pelas suas ações a favor da sociedade", explica.Na avaliação de Mattar, o consumidor consciente é aquele que reflete sobre os impactos negativos e positivos do ato da compra, ou seja, é aquele que leva em consideração antes de contratar um serviço ou adquirir um produto a ética do fornecedor e suas atitudes junto a cidadania. "Este consumidor se preocupa com o impacto da produção dos materiais sobre o meio ambiente e busca a melhor relação entre preço, qualidade e atitude social entre os concorrentes de mercado", define.ParceirosOs parceiros do Instituto Ethos neste projeto são a Telefônica, HP Consulting, Guimarães Comunicação e Marketing, Thymus Identidade de Marca e E-Financial. O investimento previsto neste primeiro ano de operações é de R$ 2,2 milhões. Além dos parceiros o site contará com patrocinadores de causa sociais, como Banco Real, Ford, Fundação Bank Boston e Nestlé, que estão investindo em programas para idosos, meio ambiente, crianças, adolescentes, jovens e educação.O site terá explicação sobre o consumo consciente, dicas de consumo e um mural para construção de comunidades de consumidores e de reclamações contra serviços e produtos. Trará também nomes de empresas que praticam ações sociais e tem responsabilidade social e um shopping virtual (com acesso às compras). Por último, vai oferecer acesso para doações, com objetivo de fortalecer economicamente as chamadas Organizações Não-Governamentais (ONGs) e entidades filantrópicas que trabalham com causas sociais.Shopping virtualNo shopping virtual, o consumidor poderá realizar compras em 14 lojas e colaborar com uma das 80 entidades sociais que fazem parte do site. Isso porque em toda compra realizada através do site, as lojas virtuais destinam uma parte do valor da venda para essas entidades. "Recebemos uma comissão por cada venda realizada através do site. A comissão varia de acordo com o tipo do produto, pois temos desde flores até automóveis à venda", ressalta Hélio Mattar. Entre as lojas virtuais que fazem parceria com o site estão a www.saraiva.com, www.submarino.com, www.webmotors.com.br, www.dpaschoal.com, www.decolar.com e www.somlivre.com.br. O pagamento poderá ser realizado através de boleto bancário, depósito em conta corrente e cartão de crédito.Além do shopping virtual, o consumidor pode contribuir com as entidades ou com as causas sociais do site através do ícone de doações. O internauta poderá doar o valor que quiser e o dinheiro será repassado aos projetos de ações sociais ou para entidades filantrópicas cadastradas no site.MuralO consumidor terá a sua disposição um mural para construção de uma comunidade virtual de consumo consciente e para reclamações e sugestões para as empresas. "O site não fará nenhum tipo de defesa do consumidor, apenas encaminharemos as empresas dúvidas sobre produtos e serviços" explica o diretor-presidente do site. Hélio Mattar diz que as questões enviadas serão analisadas pela direção do site e depois repassadas para as empresas. "Mensagens consideradas de má fé, com palavras de baixo calão não serão repassadas às empresas. Enviaremos dúvidas e reclamações as empresas que deverão ser respondidas em até sete dias", destaca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.