Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Skaf cobrará de Palocci compromisso sobre carga tributária

O presidente da Federação da Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, disse que vai cobrar do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, o compromisso de que a carga tributária não subiria neste ano. Segundo ele, o atual governo prometeu que, se houvesse elevação da arrecadação, superior a que recebeu do governo passado, seria feita uma redução.Neste ano, pelas contas de Skaf, a carga tributária aumentará 1,1% acima do patamar estabelecido. Assim, ele espera uma compensação do governo, com a desoneração de impostos para alguns setores. Em conversas já tidas com Palocci, Skaf disse que o ministro pediu que ele esperasse até o fechamento das contas deste ano para uma discussão sobre o assunto. Sugestões e críticasSkaf defendeu "uma adaptação" da política econômica, com a redução das taxas de juros, uma desvalorização do real e uma redução dos gastos públicos. Sem essa mudança, o empresário acredita que o País crescerá menos de 3% em 2005. Ao contrário, se a política econômica for ajustada, Skaf aposta num crescimento da economia superior a 4%, superando a expectativa média do mercado. O empresário fez uma crítica forte à atual taxa de câmbio, em torno de R$ 2,70, afirmando que é um nível "preocupante". "Câmbio em R$ 2,70 não assegura crescimento de exportações. Assegura crescimento de importações, em especial de países como a China", disse Skaf, aproveitando para reafirmar a crítica da Fiesp ao reconhecimento brasileiro da China como uma economia de mercado, o que dificultará a imposição de barreiras comerciais aos produtos daquele país.Segundo Skaf, um câmbio a R$ 3,50 "é tão nocivo" como o atual, defendendo uma cotação entre R$ 3 e R$ 3,10. Para ele, as intervenções do Banco Central no mercado cambial devem ocorrer, mas "não precisam ser tão anunciadas", como estaria ocorrendo. "As intervenções precisam ocorrer para o câmbio ficar dentro de uma margem que não roube a competitividade do produto brasileiro."

Agencia Estado,

08 de dezembro de 2004 | 12h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.