finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Skaf, satisfeito com Lei de Falências, elogia Lula

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, elogiou o presidente Lula por ter sancionado a Lei de Falências. "Eu parabenizo o presidente da República por ter sancionado essa lei. Isso é bom para o País", afirmou Skaf ao Conta Corrente, da "Globo News". No entanto, segundo o presidente da Fiesp, não se pode esperar que a lei seja o único instrumento que levará à redução dos juros e dos spreads bancários no Brasil. "É nítido que nós temos vivido spreads altíssimos. Nós estamos em primeiro lugar no mundo com 40% ao ano de spread bancário, em média, de pessoas físicas e jurídicas, enquanto que o segundo colocado está com 10%. Isso tem que mudar", disse.Skaf criticou o aumento dos juros e defendeu uma mudança na política econômica. "Os juros do Brasil são muito elevados. Nós temos que buscar um crescimento sustentável. E esse crescimento não se dá com falta de crédito, com juros elevados, com alta carga tributária e com gargalos de infra-estrutura."O presidente da Fiesp prevê que 2005 terá um crescimento muito mais significativo das importações do que das exportações. Skaf lembrou que o câmbio atual está no mesmo nível de 1997, quando o País teve déficit comercial superior a US$ 6 bilhões, o que pode desestimular as vendas externas.

Agencia Estado,

11 de fevereiro de 2005 | 05h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.