Slim nega conversas com Portugal Telecom sobre a Vivo

'Não existe nenhum interesse em assumir uma participação relevante na Portugal Telecom', diz porta-voz do empresário

Álvaro Campos, da Agência Estado,

27 de maio de 2010 | 13h59

O bilionário mexicano Carlos Slim não está conversando com acionistas e a diretoria da Portugal Telecom (PT) para se defender de uma oferta da Telefónica SA pela unidade brasileira de telefonia móvel da empresa portuguesa, de acordo com Arturo Elias Ayub, porta-voz de Slim. "Nós não estamos conversando com ninguém. Não existem conversas com a Portugal Telecom. Não existe nenhum interesse em assumir uma participação relevante na Portugal Telecom", disse Ayub em entrevista por telefone.

Slim, que possui menos de 5% da Portugal Telecom, não está tentando bloquear o acordo da Telefónica, disse Ayub.

O jornal português Diário Econômico noticiou nesta quinta-feira, citando pessoas próximas à situação, que Slim estaria conversando com o Banco Espírito Santo, um dos acionistas mais importantes da Portugal Telecom, sobre como bloquear a oferta de € 5,7 bilhões que a Telefónica fez pela participação da PT na Vivo Participações SA.

A Telefónica, que tem uma participação na Vivo, quer fundir a Vivo com sua subsidiária de telefonia fixa no Brasil, a Telecomunicações de São Paulo, para aumentar sua participação no mercado brasileiro e economizar € 2,8 bilhões em sinergia. A Portugal Telecom tem recusado a oferta da Telefónica, dizendo que a Vivo é um ativo estratégico para a empresa.

Slim e a espanhola Telefónica são arquirrivais na América Latina, onde competem diretamente em telefonia fixa e móvel na maioria dos países. A América Móvil, controlada por Slim, é a maior operadora de telefonia celular da região. No final de março, a empresa tinha pouco mais de 206 milhões de clientes de telefonia móvel em 17 países da América. Slim também controla a maior empresa de telefonia fixa do México, a Teléfonos de México SAB, e a operadora de telefonia fixa Telmex Internacional SAB, a Telint.

Em 11 de maio, a América Móvil lançou ofertas de aquisição em dinheiro e ações pela Carso Global Telecom SAB e pela Telint, como parte do plano de Slim de consolidar seus diferentes ativos de telecomunicações, em um acordo de quase 300 bilhões de pesos mexicanos (US$ 23 bilhões).

Se a oferta for bem sucedida, a América Móvil vai ter controle total da Telint e também uma participação de 59,4% na Teléfonos de México SAB, tornando-se uma das maiores fornecedoras de serviços de telecomunicações do mundo, com mais de 250 milhões de clientes nas Américas. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.