Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Smartphone é considerado produto essencial

Brasileiros dizem que não conseguem viver sem e admitem ser um vício

MÁRCIA DE CHIARA, O Estado de S. Paulo

15 de junho de 2015 | 03h00

O smartphone virou um produto necessário e até um vício para brasileiros que optaram por economizar em outras despesas para poder comprar o aparelho.

Na sexta-feira, o analista financeiro Rafael Avalos, de 31 anos, casado e sem filhos, estava em um grande magazine de São Paulo a procura de um smartphone para a mulher. A compra que poderia ser um presente por ocasião do Dia dos Namorados na prática era uma questão de necessidade. “O smartphone dela pifou e ela perdeu a oportunidade de fazer uma pós-graduação bancada pela empresa.” É que durante as férias, a mulher de Rafael ficou sem celular e o seu chefe não conseguiu entrar em contato com ela para oferecer a oportunidade de fazer o curso. 

“Hoje o smartphone é uma necessidade”, justifica o analista financeiro. Com renda familiar na faixa de R$ 9 mil, Rafael pretendia desembolsar R$ 1.400 na compra de um telefone novo, parcelado em duas ou três vezes no cartão de crédito. Ele admitiu que a situação está complicada. “Estou economizando em muitas coisas, inclusive o celular eu adiei uns três a quatro meses para poder comprar”, contou Rafael. Entre as economias que fez estão gastos com roupa, alimentação e saídas para ir aos shopping centers.

Já o assistente administrativo Fernando Amaro da Silva, de 30 anos, solteiro e sem filhos, se disse “fissurado” em tecnologia. Faz duas semanas que ele comprou um smartphone novo, pela internet. Pelo produto que custava R$ 1.500, pagou R$ 1 mil em uma promoção e ainda parcelou em quatro vezes no cartão. Mas na última sexta-feira, ele circulava pela loja para novamente conferir as novidades sobre o produto.

“Sou muito dependente de tecnologia. É como se fosse um cigarro, um vício”, admitiu Fernando, que uma vez por ano troca de aparelho. A dependência do smartphone acontece, explica o assistente administrativo, porque o aparelho proporciona muitas atividades ao mesmo tempo. “Com o smartphone você tem acesso a tudo: jogos, música, enfim é uma central multimídia completa.” Ele acrescentou que acessa as redes sociais, a conta bancária. “É um computador de bolso que não dá para viver sem ele.”

Televisão. Duas semanas atrás, quando Fernando comprou o smartphone, ele teve de fazer uma escolha. “Queria comprar uma Smart TV 4K, mas como ela é muito cara, optei pelo celular.” Pela TV, ele teria de desembolsar perto de R$ 4 mil, um valor muito alto. Além do gasto menor, ele disse que escolheu o smartphone justamente pela facilidade de acesso a várias tarefas que o equipamento permite.

Com renda mensal na faixa de R$ 1.300, Fernando mora na casa do pais. Ele conta que ajuda nas despesas, mas o grosso dos gastos corre por conta do pai. “Na parte financeira, sou bem cauteloso mesmo.” Pelo fato de ser uma pessoa caseira, disse que gasta pouco e usa a poupança para fazer compras quando aparece uma boa promoção.

Tudo o que sabemos sobre:
smartphoneeletrônicosconsumo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.