Só 3 Estados brasileiros criaram empregos em 2015

Só 3 Estados brasileiros criaram empregos em 2015

O número de novos postos abertos no Piauí, Acre e Roraima, contudo, somou apenas 8 mil no ano passado; ao todo, foram fechadas 1,5 milhão de vagas pelo Brasil

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2016 | 17h51

O Brasil fechou 1,510 milhão de vagas de emprego formal em 2015, de acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), divulgada nesta sexta-feira pelo Ministério do Trabalho. Foi a maior perda anual registrada desde 1985, quando começou o levantamento. A Rais mostra ainda que apenas três Unidades da Federação registraram alta no emprego no ano passado, sendo eles o Piauí (0,67%), Acre (2,14%) e Roraima (2,38%). Mas, somados, os novos postos de trabalhos nesses três Estados atingem apenas 8 mil vagas formais.

Pelas regiões brasileiras, o ranking de demissões é liderado pelo Sudeste, que registrou perda de 900,3 mil empregos, seguido pelo Nordeste (-233,6 mil) e o Sul (-217,2 mil).

Divulgada anualmente, a Rais traz um universo mais abrangente de dados que o publicado mensalmente no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Além dos trabalhadores celetistas, o relatório também abrange todas as categorias de servidores do setor público. 

Em 2016, os dados do Caged mostram que permanece a tendência de fraca geração de empregos pelo Brasil. No acumulado do ano até julho, somente cinco Estados (Mato Grosso, Acre, Mato Grosso do Sul, Maranhão e Rio Grande do Norte) registram abertura de postos de trabalho. Roraima e Piauí, que pela Rais ficaram no positivos em 2015, têm fechamento de 90 e 629 vagas, respectivamente, nos sete primeiros meses do ano.

CLT e serviço público. Na comparação com 2014, a queda no nível de emprego entre os celetistas foi de 3,45%, o equivalente a 1,364 milhão de demissões líquidas. Já entre os chamados estatutários do serviço público, a retração foi de 1,51%, correspondente à eliminação de 135,7 mil postos de trabalho. 

Além da queda no número de vagas de serviço, a remuneração média mensal dos trabalhadores ficou menor em 2015. Em relação a dezembro de 2014, o recuo verificado no último mês do ano passado foi de 2,56%. Nessa comparação, a remuneração média dos empregados no País caiu de R$ 2.725,28 para R$ 2.655,60. 

Com relação aos setores da economia, a Agricultura foi o único segmento que conseguiu elevar o nível de emprego em 2015, com a abertura de 20,9 mil postos de trabalho com carteira. Já a Indústria de Transformação cortou 604,1 mil vagas, seguida pela Construção Civil (-393 mil) e pelo Comércio (-195,5 mil).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.