Vinicius Mendonça/Ibama
Vinicius Mendonça/Ibama

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Só falta aplicar nossa ambiciosa lei ambiental

Em vez de ser visto como réu, Brasil precisa ser percebido como uma potência agroambiental

Cesario Ramalho da Silva*, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2020 | 04h00

A questão ambiental é temática-chave para a competitividade do agronegócio brasileiro. O enfraquecimento dos serviços de vigilância e repressão a crimes ambientais tem feito mal à proteção da fauna e da flora, ao ar das cidades e à saúde das pessoas, bem como prejudicado os produtores rurais brasileiros, que veem sua imagem, reputação e negócios serem manchados por uma percepção equivocada de que uma ínfima parte representa o todo.

Apesar de termos a mais ambiciosa lei ambiental do planeta, o Código Florestal, o fato é que a visão que a comunidade internacional tem sobre o Brasil nunca esteve tão deteriorada. O real problema não é a falta de legislação, e sim a sua não aplicação.

Este cenário vem provocando a saída de investimentos do País e suscitando represálias comerciais, especialmente da Europa, pondo sob dúvida, inclusive, a ratificação do acordo União Europeia-Mercosul.

A ministra Tereza Cristina vem, de modo habilidoso, contornando problemas e desfazendo equívocos, usando de pragmatismo e diplomacia irretocáveis – aliás, marcas de todo o seu trabalho – para blindar nossas exportações e atrair recursos.

Mais do que ideologia, tudo o que envolve sustentabilidade na Europa norteia políticas públicas e decisões de investimento, que reverberam globalmente. Consumidores e acionistas já exigem há tempos um comportamento mais sustentável das empresas por entenderem que tal conduta se reflete diretamente em melhores produtos e resultados financeiros, respectivamente.

É claro que a maioria das críticas da comunidade internacional tem motivos protecionistas: usam a preocupação ambiental para obter vantagens comerciais sobre nossa agricultura. Faz parte do jogo. O que não podemos é dar motivos, brechas.

É evidente, também, que existe o lobby dos produtores rurais europeus, que em muitos casos se agarram a argumentos falaciosos para atacar o agronegócio brasileiro. Questões técnicas injustificáveis acabam sendo usadas como subterfúgios para a imposição de barreiras comerciais.

Cabe ao agro brasileiro externar cada vez mais de forma enfática e contínua sua discordância em relação aos crimes ambientais e à grilagem de terras. Estamos perdendo protagonismo exatamente na área ambiental, em que éramos vistos como autoridade mundial e referência positiva.

Em vez de ser visto como réu, o Brasil precisa ser percebido internamente e no cenário geopolítico mundial como uma potência agroambiental. Desenvolver esta marca será favorável tanto para a receptividade dos nossos produtos internacionalmente como para a atração de investimentos.

Também é fato que a comunicação do agronegócio ainda é falha tanto em nível doméstico quanto externo. É preciso identificar quais são os códigos que as pessoas das cidades compreendem para que possamos explicar o quão sustentável é o agro brasileiro. Despertar o orgulho da nossa população pelo setor é o primeiro passo.

Sobre a Amazônia, a verdade é que pouco ainda se sabe sobre a imensidão da floresta, embora esteja claro que somente os achados da Ciência, com foco na bioeconomia, serão capazes de criar uma rota para o desenvolvimento sustentável da região, gerando renda, emprego e melhores condições de vida à população local, tendo como base a floresta em pé. Instrumentos para isso existem, mas precisam ser implantados mais urgentemente pelo Executivo: estímulo à regularização fundiária, ao pagamento por serviços ambientais e ao mercado de créditos de carbono.

Recentemente, pesquisadores da Embrapa descobriram microorganismos nos rios amazônicos com potencial econômico para serem utilizados nos segmentos agrícola, químico e até têxtil. É disso que precisamos.

*PRODUTOR RURAL, É PRESIDENTE INSTITUCIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE MILHO (ABRAMILHO)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.