DOUGLAS GAVRAS/ESTADÃO
DOUGLAS GAVRAS/ESTADÃO

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Só metade dos trabalhadores consegue reajustes acima da inflação

Com desemprego alto e menos negociações do que antes da reforma trabalhista, só 25 categorias de 49 tiveram aumento real em 2019

Douglas Gavras , O Estado de S. Paulo

23 de janeiro de 2020 | 04h00

Só metade das negociações salariais que foram feitas no ano passado teve algum reajuste real, acima da inflação, para os trabalhadores. É o que apontam os dados do Salariômetro, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Um ano antes, em 2018, a proporção de reajustes reais era de 75,5%.

O desemprego elevado e a subutilização da força de trabalho têm reduzido a pressão sobre reajustes salariais. Segundo entidades de classe, isso também é um reflexo da reforma trabalhista, feita em 2017, e a perda de poder de barganha explicaria a estagnação na variação do rendimento.

Reginaldo Tomás, de 47 anos, é motorista – uma das 20 categorias que não tiveram perdas ou ganhos em 2019, eles só “empataram” com a inflação. “As coisas estão melhorando, mas não tem tanto trabalho quanto antes. Poderia estar ganhando mais, mas com esse desemprego, a gente até evita reclamar.” 

No ano passado, quem trabalha no agronegócio da cana-de-açúcar teve reajustes salariais que acabaram perdendo para a inflação, com uma queda real de 1,07% no ano passado. Em seguida, vêm os empregados domésticos (0,44%) e os profissionais de lavanderias (0,11%).

Esses cálculos consideram a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que ficou em 3,4%, em 12 meses até dezembro.

De 49 categorias analisadas, 25 tiveram ganhos reais. Os maiores foram para funcionários de condomínios, de 1,08%, e limpeza urbana (0,7%).

O coordenador do projeto Salariômetro e professor da Universidade de São Paulo, Hélio Zylberstajn, diz que o principal fator que explica os reajustes mais baixos foi o aumento da inflação no ano passado. “No Brasil, existe uma cultura arraigada de que repor a inflação é direito do trabalhador. Nesse contexto de economia fraca, as empresas acabam conseguindo só repor a inflação do período.”

Para este ano, segundo o economista, os reajustes devem voltar a ficar acima da inflação só a partir de abril. “Este ano deve ocorrer o mesmo que em 2019: poucos aumentos reais.” 

Mudanças após a reforma trabalhista

O número de acordos e convenções caiu quase 16% depois da reforma trabalhista, no fim de 2017. Naquele ano, foram concluídas 34,8 mil negociações, ante 29,4 no ano passado, pelos dados preliminares da Secretaria do Trabalho.

Com as mudanças, o negociado passou a prevalecer sobre o legislado, quando consideradas as hipóteses previstas na própria legislação. Também houve uma flexibilização quanto à possibilidade de negociação entre empregado e empregador.

Em 2018, uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que os sindicatos haviam perdido 1,5 milhão de filiados após a reforma trabalhista. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.