Waldemir Barreto/Agência Senado
Waldemir Barreto/Agência Senado

Sob críticas e pressão por mais recursos, Congresso vota Orçamento hoje

Senador Jean Paul Prates não concorda com o patamar de investimentos dos militares previstos na peça orçamentária; texto destina R$ 8,3 bi para o Ministério da Defesa

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2021 | 05h00

BRASÍLIA - O líder da minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN), criticou o patamar de investimentos dos militares do Orçamento de 2021. O projeto deve ser votado nesta quinta-feira pelo Congresso Nacional e há pressão por mais recursos para obras e saúde, em meio à pandemia de covid-19.

A peça orçamentária destina R$ 8,3 bilhões para investimentos do Ministério da Defesa, um quinto (22%) do total para todo o governo federal, conforme relatório do senador Márcio Bittar (MDB-AC) apresentado ontem. 

O líder da minoria comunicou que o PT tentará reverter o cenário, apesar de não haver esse movimento em grupos fora da oposição.

Os militares também são a única categoria que deve ser contemplada este ano com reajuste, o que deve consumir outros R$ 7,1 bilhões dos cofres públicos, enquanto todo o restante do funcionalismo está com o salário congelado até dezembro. Como o aumento é autorizado por leis anteriores, com aval do próprio Congresso Nacional , o orçamento é obrigado a considerar essa projeção. 

“Os militares vão receber reajuste salarial e um quinto dos investimentos federais enquanto a saúde está em colapso. É assim que Bolsonaro demonstra sua preocupação com o Brasil e com os brasileiros?”, questionou Prates em declaração enviada à imprensa. 

“É um absurdo que, num momento como este, o governo trabalhe por aumentos salariais para as Forças Armadas e deixe de lado a pandemia”, afirma o parlamentar. 

“Não tem cabimento eleger os militares como privilegiados no meio de uma pandemia e no rastro de um governo incapaz de reduzir despesas públicas”, criticou o cientista político e fundador do Centro de Liderança Pública (CPL), Luiz Felipe D'Avila.

Tudo o que sabemos sobre:
Orçamento federal [Brasil]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.