Sob protestos, Comissão Européia corta subsídios para açúcar

A Comissão Européia, órgão executivo máximo da União Européia, aprovou ontem à noite em Bruxelas a proposta de reformas que vai exigir um corte nas quotas de produção de açúcar e redução nos subsídios concedidos aos agricultores. A proposta, que recebeu duras críticas dos agricultores, estabelece reduzir em 2,8 milhões de toneladas a produção de açúcar e corte de até 37% nos valores concedidos aos produtores de beterraba, de onde é extraído o produto.A Comissão Européia propõe reduzir significativamente as exportações de açúcar e as restituições concedidas aos produtores por essas vendas externas. Prevê ainda a eliminação do mecanismo de intervenção, a diminuição da produção européia e do preço do açúcar e da concessão de ajudas aos produtores de beterraba, desvinculadas da produção. De acordo com a imprensa espanhola, os produtores desse país foram os que mais protestaram, já que, de acordo com eles, cerca de 18 mil fazendas, das quais dependem 300 mil famílias, correm risco de desaparecer.Hoje, milhares de produtores espanhóis chegaram a Bruxelas para protestar contra a reforma portando bandeiras do país com uma beterraba no centro. A reforma aprovada pela Comissão Européia precisa, agora, ser ratificada pelo Conselho de Ministros da União Européia. De acordo com o jornal "El Mundo", a redução dos subsídios será feita de forma gradual e em várias etapas, começando a partir de 2005 e terminando em 2008.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.