Edgar Su/Reuters
Edgar Su/Reuters

Sob risco de ser abandonada por Trump, OMC pede 'liderança' dos EUA no comércio global

Brasileiro Roberto Azevedo indicou que entidade está 'pronta para trabalhar com o novo governo'

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2016 | 12h58

GENEBRA - Ameaça de ser abandonada por Donald Trump, Organização Mundial do Comércio (OMC), insiste que a liderança dos EUA é "vital" no comércio internacional. Mas num esforço para manter sua entidade relevante, o diretor-geral da OMC, Roberto Azevedo, aponta que a organização está pronta para trabalhar para garantir que todos sejam beneficiados com o comércio.

Em julho, Trump ameaçou abandonar a OMC se o organismo com sede em Genebra proibisse seus planos de impor multas a empresas que decidam produzir fora dos EUA. Sua retórica tem sido a de sair em defesa de uma classe social que acredita que perdeu com a globalização. 

Numa entrevista à rede NBC, ele deixou claro que iria adiante com suas políticas comerciais, ignorando as regras da entidade. "Não importa", disse. "Se isso ocorrer (impedir de impor multas), vamos renegociar o acordo ou então vamos abandoná-la. Esses acordos são desastrosos. A OMC é um desastre", afirmou. 

Num tom apaziguador, Azevedo tuitou nesta manhã que "a liderança dos EUA na economia global e no sistema multilateral do comércio continua vital". Mas o brasileiro também mandou uma mensagem de que a OMC deve ser parte de uma eventual correção nas regras para garantir maior emprego. 

Azevedo se disse "pronto para apoiar" e "para trabalhar" com o novo governo para "garantir que o comércio seja um elemento positivo em uma nova estratégia para o desenvolvimento e a criação de empregos". O brasileiro ainda mandou uma mensagem ao eleitorado de Trump e indicou que "está claro que muitos sentem que o comércio não está funcionando para eles". Uma vez mais, ele insiste que a OMC está pronta para agir. "Precisamos lidar com isso e garantir que o comércio gere o benefício mais amplo a todas as pessoas", escreveu o brasileiro.

Na semana passada, sem citar o nome de Trump, Azevedo já havia alertado para o fato de que respostas simplistas por parte de candidatos não seriam capazes de solucionar crises e que, de fato, poderiam agravá-las. 

Nos corredores da OMC, diplomatas confirmaram ao Estado a preocupação da entidade que regula o comércio mundial diante do resultado nas eleições nos EUA. Se praticamente nenhum acordo conseguia avançar, agora o sentimento é de que uma paralisia pode tomar conta da organização. 

Nos últimos anos, diante do fracasso da Rodada, o trabalho da cúpula da entidade tem sido o de manter a Casa Branca engajada. Sem os americanos, muitos acreditam que a OMC se tornaria irrelevante. 

Agora, a percepção de muitos diplomatas é de que essa tarefa de "manter os EUA no mesmo barco" será ainda mais difícil. "Existe o potencial para que a relação fique complicada", admitiu o embaixador chinês na OMC, Yu Jianhua. 

"Vamos viver um grande período de incertezas", alertou outro embaixador, na condição de anonimato. O que todos nos corredores da entidade querem saber é como a retórica anti-comércio de Trump será traduzida em propostas concretas.   

 

Durante sua campanha para a presidência dos EUA, Donald Trump prometeu barreiras contra produtos importados e um freio no comércio com a China. "Não podemos continuar deixando que a China estupre nosso país e isso é o que eles tem feito", disse Trump em Indiana.

Num debate com Hillary Clinton, Trump ainda qualificou o NAFTA como "o pior acordo comercial jamais assinado" e prometeu que, se eleito, irá renegociar os termos do pacto assinado ainda nos anos 90. 

O candidato republicano também insistiu que vai retirar os EUA da Parceria Trans-Pacífica e também o comparou a um "estupro". "Vou declarar nossa independência econômica de novo", disse. 

Com a Europa, a negociação para um acordo de livre comércio também vive uma séria crise.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.