Sobeet questiona resultado do ranking de negócios da EIU

O presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet), Antônio Corrêa de Lacerda, questionou o "ranking de ambiente para negócios" da consultoria britânica Economist Intelligence Unit (EIU), no qual o Brasil aparece na 37a posição no mundo para se fazer negócios nos próximos cinco anos, avançando apenas uma posição em relação ao estudo anterior (1998 a 2002)."Vejo uma incoerência entre a posição do Brasil, na avaliação da EIU, já que, de 1998 a 2002, o Brasil foi o 11º país que mais recebeu investimentos estrangeiro no mundo, de acordo com o ranking mundial de investimentos estrangeiros diretos da Unctad (Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento), e o segundo entre os países em desenvolvimento, o que representa uma contradição nesse resultados", disse Lacerda à Agência Estado.?Se estivéssemos na 37a posição, não estaríamos ocupando hoje a 11a colocação entre os que mais atraíram investimentos diretos", contestou Lacerda. Acredito, acrescento o presidente da Sobeet, "que existe uma certa desinformação sobre o Brasil para fazer essas avaliações". Lacerda cita, por exemplo, alguns critérios do estudo no qual o governo do presidente Luís Inácio Lula da Silva não teria maioria no Congresso. "Acredito que há uma certa precipitação nessa avaliação, até porque o governo ainda não foi totalmente testado no Congresso", afirmou Lacerda. O desafio brasileiro, disse o presidente da Sobeet, "continua sendo o de atrair investimento produtivo mais voltado para as exportações, substituição de importações e criação de centros locais de tecnologia".Para ele, a política econômica do governo precisa criar condições de competitividade para os investimentos em geral, tanto nacionais quanto internacionais. Ou seja, explicou Lacerda, "embora o foco da pesquisa seja um tanto distorcido por um viés excessivamente liberal e demonstrar até mesmo um grau elevado de desinformação a respeito das nossas reais condições, ela tem o mérito de refletir a visão dos entrevistados quanto à imagem do Brasil".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.