Marizilda Cruppe/NYT
Marizilda Cruppe/NYT

Sócio brasileiro é neto do general Figueiredo

Incorporador, que constrói hotel de Trump no Brasil, elogiou as declarações polêmicas do bilionários sobre imigrantes nos EUA

O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2015 | 02h05

Paulo Figueiredo Filho, o incorporador que terá a propriedade do hotel Trump a ser operado por sócios americanos, está no time dos críticos da presidente Dilma Rousseff. Ele também é neto de João Figueiredo, o último autocrata de uma ditadura militar que durou 21 anos e terminou em uma situação de caos econômico, em 1985.

Embora seja somente um sócio empresarial de Trump para promover seu empreendimento, Figueiredo vai além de apenas defender um projeto. Ele diz que deseja limitar a influência do governo na economia (embora a Barra da Tijuca, bairro onde ele vive e está construindo o hotel, tenha sido beneficiados por enormes projetos de transporte público).

Quando Figueiredo avô deixou o cargo, em 1985, ele observou que preferia o cheiro dos cavalos ao das pessoas. Quando indagado o que os brasileiros pensavam dele, o general quatro estrelas respondeu: "Quero que me esqueçam".

Mas as frustrações com o governo do Brasil deram novo ímpeto para grupos de direita e alguns nos protestos contra o governo vêm abertamente pedindo o retorno dos militares, o que até recentemente era um tabu, politicamente. Figueiredo fala com orgulho sobre o avô e elogia Trump, uma figura que é alvo de críticas em todas as partes da América Latina.

"Ele é um dos empresários mais reconhecidos no mundo e vamos nos beneficiar com a publicidade. Não acho que uma pessoa não irá se hospedar num hotel fantástico por causa das opiniões políticas de Trump."

Tudo o que sabemos sobre:
Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.