Socorro adicional do Fed alivia e Bovespa sobe 3,95%

Após três sessões seguidas de queda,a Bolsa de Valores de São Paulo teve um dia de forterecuperação nesta terça-feira, copiando o otimismo dos mercadosnorte-americanos com o anúncio de um socorro adicional doFederal Reserve (Fed) para conter os efeitos da crise decrédito nos Estados Unidos. O Ibovespa subiu 3,95 por cento, aos 62.367 pontos, naterceira maior alta diária em 2008. O giro financeiro foi de5,9 bilhões. Segundo especialistas, a notícia de que o Fed vai injetarcerca de 200 bilhões de dólares nos mercados de créditoatingidos pela crise no setor imobiliário norte-americano, emparceria com autoridades monetárias de diversos países, deunovo ânimo aos investidores. "O anúncio trouxe de volta à ponta compradora de ações osinvestidores interessados em barganhas", afirmou Miguel Daoud,sócio da Global Financial Advisor. Nas bolsas de Nova York, os índices Dow Jones, Nasdaq e S&P500 tiveram ganhos superiores a 3,5 por cento. Com isso, osdois primeiros tiveram as maiores altas diárias desde março de2003, enquanto o S&P viu a maior valorização desde outubro de2002. Na Bovespa, papéis de bancos e de empresas ligadas acommodities internacionais apareceram entre as líderes deganhos. As ações preferenciais da Vale avançaram 5,3 por cento,a 48,49 reais, enquanto as da Usiminas tiveram ganho de 5,4 porcento, cotadas a 100,40 reais. Os papéis preferenciais doBradesco subiram 4,7 por cento, valendo 52,55 reais. Para os profissionais do mercado, no entanto, o alívio deveser apenas momentâneo, uma vez que muitas questões relacionadasàs perdas de bancos, seguradoras e demais instituiçõesfinanceiras com as hipotecas de alto risco nos Estados Unidosainda estão em aberto. "As medidas anunciadas hoje não resolvem a situação, masaliviam o cenário de curto prazo", disse André Hannah, analistada corretora Interfloat.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.