bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Soma gira menos que o pregão noturno da Bovespa

A Sociedade Operadora do Mercado de Ativos (Soma) busca alternativas para reaquecer o mercado de balcão organizado após a saída da sua blue chip, a Cia. de Saneamento do Paraná (Sanepar). A migração da empresa para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), em 3 de maio, derrubou o volume de negócios da Soma no mês passado. O giro da Soma em maio foi inferior até ao after market, o pregão noturno da Bovespa. A Soma registrou volume financeiro de R$ 7,5 milhões, ante R$ 13,9 milhões do after market. Em abril, quando as ações da Sanepar ainda estavam no mercado de balcão, a Soma girou R$ 25,1 milhões - R$ 12,8 milhões apenas com Sanepar. No mesmo mês, o volume do after market foi de R$ 19,7 milhões. O superintendente da Soma, Romeu Pasquantonio, disse que a redução no volume financeiro não preocupa. "Nossa função é servir como mercado de acesso." Ele frisou também que a Soma é superavitária, pois conta com outras receitas, independentemente do volume de negócios. No entanto, ele admite que a instituição vem buscando opções para incrementar o mercado de balcão organizado. A Soma foi comprada pela Bovespa no início do ano e desde então trabalha para desenvolver formas alternativas de abertura de capital, aproveitando o precedente aberto pela nova Lei das Sociedades por Ações. Segundo Pasquantonio, as duas entidades querem criar níveis diferenciados de abertura de capital para atrair pequenas e médias empresas. "Queremos estabelecer um cronograma para que as companhias entrem na Soma, criem valor para seus papéis, desenvolvam a governança corporativa e migrem, preferencialmente, para o Novo Mercado da Bovespa." Os estudos para criação de uma nova estrutura de abertura de capital ainda são preliminares e dependem de discussão e aprovação pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), lembrou Pasquantonio. Além disso, ele destacou que "ano eleitoral costuma inibir os processos de abertura de capital". Outro nicho de mercado que Soma e Bovespa estão de olho é o de fundos imobiliários. Segundo Pasquantonio, esse segmento, destinado a financiar grandes obras, está em franca expansão. A intenção é trazê-los para as bolsas, para que realizem o lançamento das cotas e a negociação secundária. O primeiro passo foi dado com o fundo Europar, lançado na Bovespa no mês passado. Pasquantonio destacou ainda que a Soma vem trabalhando junto a fundos de "private equity" - que investem em empresas com potencial de crescimento - com o apoio da Associação Brasileira de Capital de Risco (ABCR).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.