finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Soma recusou negociar ações da Boi Gordo

Em agosto, a empresa Fazendas Reunidas Boi Gordo S.A. tentou colocar suas ações na Soma - Sociedade Operadora do Mercado de Ativos S.A. -, que é a empresa responsável pela administração do mercado de balcão organizado no Brasil, mas não conseguiu. "A Soma indeferiu o pedido da Boi Gordo, considerando os riscos apresentados no balanço financeiro da empresa, o parecer dos auditores independentes e os fatores de inadimplência apontados pela própria empresa no prospecto preliminar de distribuição pública das ações", explica o diretor-geral da Soma, Romeu Pasquantonio.Consultado pela reportagem da Agência Estado, o escritório de auditoria independente que preparou o estudo sobre a Boi Gordo, Boucinhas & Campos Auditores Independentes, não quis comentar o assunto. Por meio de sua Assessoria de Imprensa, informou que trata-se de um acordo formal entre as partes em qualquer processo de auditoria.A Boi Gordo também não prestou esclarecimentos sobre o prospecto entregue à Soma no pedido de lançamento de ações neste mercado. Segundo o diretor da Soma, neste material, a própria empresa admitia que corria o risco de inadimplência junto a seus investidores.CVM autorizou emissão de ações e títulosA CVM não explicou como permitiu que a Boi Gordo recebesse o registro de companhia aberta no final de agosto, apesar dos problemas financeiros na empresa, verificados pela Soma e também conhecidos pela autarquia.Com esta autorização da CVM, a empresa recebeu a permissão para emitir ações preferenciais (PN, sem direito a voto), no total de R$ 315 milhões, que não chegaram a ser lançadas na Soma. Além disso, a CVM registrou, na mesma época, a emissão de R$ 260,553 milhões em Certificados de Investimento Coletivo (CICs), referentes à quarta emissão.A CVM não é responsável pelo sucesso financeiro de qualquer empresa com ações em bolsa, nem responde por qualquer prejuízo que os investidores venham a ter. Mas fontes do mercado acreditam que a CVM, neste caso, tem responsabilidade porque poderia ter evitado o lançamento deste quarto lote de CICs e a aprovação da emissão de ações, diante da situação financeira da empresa, segundo seu próprio balanço.Atuação da CVM depois da concordataA partir do pedido de concordata preventiva solicitada pela empresa em 15 de outubro na Comarca de Comodoro, a CVM determinou, por meio da Deliberação nº 406, de 17 de outubro de 2001, a suspensão da distribuição pública de CICs e ações de emissão da Boi Gordo a partir de agora. A CVM também notificou a Boi Gordo para fossem atualizadas as informações financeiras da empresa junto à autarquia. Segundo comunicado da Boi Gordo datado ontem, este procedimento já foi atendido, bem como a entrega da documentação relativa à concordata preventiva e a suspensão de negócios com CICs e ações da empresa. A Boi Gordo ainda não informou quando publicará o fato relevante com o detalhamento do pedido de concordata e o edital com a relação dos credores da empresa. Veja mais informações sobre como fica a situação dos investidores e os cuidados que ele deve ter a partir de agora nos links abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.