finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Somem as vagas nos pacotes turísticos

Ano-novo no exterior fica mais caro

O Estadao de S.Paulo

13 de novembro de 2007 | 00h00

Brindar a chegada do ano-novo no exterior exige do turista paciência e disponibilidade, em alguns, casos para gastar acima do planejado. A cotação favorável do dólar para viagens fora do Brasil levou a uma grande procura por pacotes internacionais para essa época. Para alguns destinos, como Nova York, Cancún, Buenos Aires e Punta del Este, já está difícil encontrar lugares."Passar o Réveillon em Nova York num pacote de seis dias em hotel três estrelas custava US$ 2.478 há um mês. Hoje o mesmo pacote está entre US$ 2.800 e US$ 3.100", compara o gerente de Atendimento da Speed Tour, Gilberto Almeida de Araújo. "Os assentos mais baratos nos vôos vão lotando e os preços vão subindo." Na operadora de turismo Flot os pacotes de fim de ano para Buenos Aires, Cancún, Saint Martin, Canadá e Nova York estão esgotados. Mas ainda há várias opções para o mês de janeiro. "As vendas de pacotes internacionais aumentaram, em média, de 10% e 15% em relação a igual período em 2006," diz o vice-presidente da Associação Brasileira dos Agentes de Viagem (Abav), Carlos Alberto Amorim Ferreira. As vendas domésticas para o fim de ano, por enquanto, estão 10% abaixo do mesmo período em 2006. "Se conseguirmos empatar os resultados com o ano anterior, mesmo com todo caos dos aeroportos, vai ser ótimo," afirma Ferreira.Mesmo assim as ofertas de destinos nacionais são reduzidas em alguns casos. Na Visual Turismo, por exemplo, os pacotes de uma semana de Réveillon para a Costa do Sauípe (BA), no Marriot, que custavam R$ 4.850 acabaram. Mas há disponibilidade para o Breezes, que custa R$ 7.950 e "algumas vagas" no Transamérica, na ilha de Comandatuba. O preço: R$ 10.495. "Os pacotes para o exterior acabam atraindo pelo dólar, pelo parcelamento em até 10 vezes e porque, no caso de vôos internacionais, as companhias são mais pontuais", diz Ferreira. Segundo ele, nessa época muitos brasileiros residentes no exterior vêm visitar a família, o que reduz mais ainda a oferta de lugares.De acordo com Araújo, gerente de Atendimento da Speed Tour, este ano quem pretendia viajar no Revéillon antecipou bastante a compra de pacotes. "Fizemos vendas para Cancún, Nova York e Disney entre julho e agosto, o que não ocorria em anos anteriores."A CVC diz que já vendeu 50% dos produtos de viagem para sua temporada de verão e 75% de suas cabines para cruzeiros até o Carnaval. De acordo com a empresa, de cada dez passageiros, quatro compram pacotes com mais dois meses de antecedência da data do embarque, situação que não ocorria há dois anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.