Sondagem indica leve melhora do setor eletroeletrônico

As empresas do setor eletroeletrônico continuaram sofrendo os impactos da crise financeira em maio, mas com indicações de que os negócios melhoraram em relação ao mês anterior, revela sondagem da conjuntural do setor divulgada pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). De acordo com a entidade, 8% das empresas consideraram que os efeitos da crise pioraram em relação ao mês anterior, o que confirma a tendência de redução em relação às últimas pesquisas. Em fevereiro, o porcentual estava em 31%, no mês seguinte caiu para 24% e, em abril, 20% das empresas sentiram piora nos negócios.

AE, Agencia Estado

18 de junho de 2009 | 18h11

A sondagem aponta que 41% das empresas do setor eletroeletrônico indicaram crescimento nas vendas e encomendas na comparação com abril, 35% apresentaram estabilidade e 24%, redução. Apenas 1% das companhias informaram cancelamentos de pedidos em carteira, 30% indicaram reprogramações e 69% tiveram as encomendas mantidas no mês passado - maior patamar desde o início da crise, segundo a Abinee.

Em relação aos empregos, a sondagem indicou um aumento nas empresas que revelaram crescimento do número de trabalhadores, de 8% em abril para 12% em maio. Com isso, a associação espera que o número de empregados no setor fique estável no mês de maio. Apesar das indicações favoráveis, as vendas e encomendas permaneceram abaixo das expectativas para 59% das empresas no mês passado, de acordo com a Abinee. Entre as exportadoras, o porcentual ficou ainda maior e chegou a 73%.

As previsões para o ano como um todo praticamente não sofreram alterações em relação à pesquisa anterior. Para 49% das empresas do setor, as vendas devem recuar em 2009 em relação ao ano passado e 26% esperam crescimento. As outras 25% acreditam em estabilidade nos negócios em 2009.

Tudo o que sabemos sobre:
eletroeletrônicossondagemAbinee

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.