Sony anuncia lucro dentro do previsto

A gigante japonesa Sony Corp., que atua nas áreas de entretenimento e produtos eletrônicos, registrou uma melhora significativa em seu lucro no primeiro semestre fiscal até 30 de setembro de 2002,beneficiada pelas sólidas vendas de produtos digitais ao consumid or e pelos esforços de redução de custos em suas operações de produtos eletrônicos. A Sony teve um lucro líquido de 101,23 bilhões de ienes (US$ 812,1 milhões) no primeiro semestre, ante um prejuízo líquido de 43,26 bilhões de ienes em igual período de 2001. As vendas no período subiram 2,8% para 3,51 trilhões de ienes (US$ 28,1 bilhões), de 3,41 trilhões de ienes no ano passado. Os resultados vieram em linha com as projeções dos analistas de um lucro operacional de 80 bilhões de ienes (US$ 641,8 milhões) a 120 bilhões de ienes (US$ 962,7 milhões).O lucro operacional no período foi de 102,39 bilhões de ienes (US$ 821,4 milhões). Para todo o ano fiscal até março de 2003, a Sony elevou sua previsão de lucro líquido do grupo em 30 bilhões de ienes (US$ 240,6 milhões) para 180 bilhões de ienes (US$ 1,44 bilhão), apesar dos temores de que o consumo pessoal possa afetar a demanda por produtos eletrônicos. A empresa reduziu sua projeção de vendas do grupo em 100 bilhões de ienes (US$ 802,3 milhões) para 7, 6 trilhões de ienes (US$ 60,9 bilhões).Em comunicado, o chairman da Sony, Nobuyuki Idei, disse que a companhia responderá às incertezas criadas pelo consumo pessoal através do fortalecimento de sua marca, expansão da linha de eletrônicos habilitados com Internet, e contínuas reformas estruturais. Nos três meses até setembro, o lucro líquido da companhia foi de 44,1 bilhões de ienes (US$ 353,8 milhões). A Sony informou que a absorção da Aiwa elevou o lucro líquido do grupo em 36,1 bilhões de ienes (US$ 289,6 milhões), enquanto as perdas de investimento com relação à sua joint venture com a Telefonaktiebolaget LM Ericsson aumentaram em 6,7 bilhões de ienes (US$ 53,7 milhões) para 11,3 bilhões de ienes (US$ 90,6 milhões). As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.