Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Sony tem primeiro prejuízo em 14 anos e prevê mais perdas

Prejuízo de US$ 1 bilhão no ano fiscal foi menor que o esperado; receita teve queda de 12,8%

Marcílio Souza, Agência Estado

14 de maio de 2009 | 11h10

A companhia japonesa Sony anunciou nesta quinta-feira, 14, prejuízo anual de 98,9 bilhões de ienes (US$ 1 bilhão) no ano fiscal terminado em 31 de março. A perda anual foi a primeira da empresa em 14 anos.

 

O resultado, entretanto, foi considerado positivo, já que a Sony previa um prejuízo de 150 bilhões de ienes no início do ano. No ano fiscal anterior, a companhia havia registrado lucro líquido de 369,44 bilhões de ienes.

 

A receita da companhia japonesa também caiu, passando de 8,87 trilhões para 7,73 trilhões de ienes, o que representa queda de 12,8%. O grupo foi prejudicado pela queda dos gastos globais com consumo e pela valorização do iene.

 

Para o atual ano fiscal, a Sony não prevê recuperação. A companhia estima um prejuízo líquido de 120 bilhões de ienes e a queda da receita para 7,3 trilhões de ienes. No último trimestre fiscal, o período de janeiro a março, o prejuízo foi de 165,1 bilhões de ienes, quando no mesmo período do ano passado o lucro foi de 29 bilhões de ienes. Também nesse período, a receita recuou 26%, para 1,36 trilhão de ienes.

 

Segundo a companhia, a aposta para estabilizar os ganhos será o segundo semestre fiscal (que começa em outubro), quando espera fazer com que suas operações de televisores voltem a apresentar equilíbrio financeiro. "No primeiro semestre, a economia continuará fraca", disse o vice-presidente e diretor financeiro do grupo, Nobuyuki Oneda.

 

A companhia prevê também que as vendas do console PlayStation vão subir de 32,08 milhões para 33 milhões de unidades este ano, estimuladas por novos títulos e pela queda nas vendas dos concorrentes. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Sony, prejuízo, Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.