Sony vende à Samsung fatia em empresa de LCD

A Sony vai vender os quase 50% de participação que detém na joint venture de LCD com a Samsung Electronics à própria fabricante sul-coreana por 1,08 trilhão de wons (US$ 939 milhões), enquanto se esforça para reduzir perdas na divisão de TVs.

SEUL, TÓQUIO, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2011 | 03h04

A parceria de sete anos reduziu seu capital em 15% em julho, e fontes da indústria disseram que a Sony estava negociando sair do negócio com o objetivo de terceirizar o segmento de telas planas, enquanto a Samsung segue adiante com os monitores de próxima geração.

"Em termos de direção, é positivo (para a Sony)", disse Keita Wakabayash, analista da Mito Securities, em Tóquio. "Mas, se perderem dinheiro na venda, pode-se perguntar por que não tomaram essa decisão antes". Em sua avaliação, "o maior problema deles é que não estão tendo lucro mesmo sem muitas fábricas".

Em novembro, a Sony emitiu alerta de prejuízo líquido para o ano fiscal até março pelo quarto exercício seguido, com perdas de US$ 2,2 bilhões apenas na divisão de TV por causa da demanda instável e do iene valorizado.

A expectativa é de que a transação seja concluída no fim de janeiro. Como resultado do acordo, a Sony estima perdas por imparidade de cerca de 66 bilhões de ienes (US$ 844,6 milhões) em seu terceiro trimestre do ano fiscal de 2012, que será encerrado em 31 de março. Em outra frente, a companhia japonesa prevê que a negociação irá gerar uma economia anual de aproximadamente 50 bilhões de ienes (US$ 639,8 milhões).

Enquanto a venda é vista como movimento certeiro para a Sony, pode não ser tão positiva para a Samsung, segundo analistas. "A Sony poderá recorrer a fabricantes taiwanesas de LCD se elas oferecerem preços mais baixos", disse o analista Song Myung-sup, da HI Investment & Securities.

A joint venture - S-LCD - foi criada para garantir estabilidade no fornecimento de telas planas./ REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.